Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Automação nos portos


© Copyright fotos: Terex 
Vivemos numa era de rápido desenvolvimento tecnológico,  esses avanços  cada vez mais fazem-se sentir nos portos! Se aqui à poucos  dias apresentávamos um projecto para navios não tripulados desenvolvido pela Rolls Royce, falar de automação  (do latim Automatus, que significa mover-se por si),  de equipamentos  a operar nos portos é já uma realidade, sendo o Terminal ECT Delta em Roterdão talvez o exemplo mais conhecido, onde desde à anos a esta parte o nível de automação é elevado. Uma rápida pesquisa pela net, verificamos mais portos a recorrer à automação, e os tradicionais fabricantes de equipamentos portuários cada vez tem mais oferta disponível neste segmento, seja os AVG´s, Stradle Carriers, Pórticos, e até surgem projectos  para sistemas automáticos que tem por objectivo substituirem a tradicional amarração de navios.
Reflectindo sobre tudo isto, fico a imaginar como será num futuro não muito longínquo o nível de automação deste sector, certamente será elevado, reduzindo ao mínimo a intervenção humana.

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Estreia do N/M "Monte Brasil", na ilha das Flores




 © Copyright fotos: Tito Nóia, Flores. Galeria fotográfica do autor AQUI
O N/M "Monte Brasil", estreou-se hoje porto das Lajes na ilha das Flores, tornando-se o navio de maior dimensão a demandar o porto florentino! Esta escala é habitualmente efetuada pelo N/M "Sete Cidades", que desta vez ficou em Lisboa, segundo se diz para proceder à reparação de uma avaria numa das suas gruas. Concluida a viagem extraordinária do "Monte Brasil", este regressará à linha da Madeira, enquanto o "Sete Cidades", regressará aos Açores.
O meu sincero Agradecimento ao Amigo Tito Nóia, pela obtenção e envio destas belas imagens,  permitindo-nos apreciar e registar para memória futura esta importante escala para o porto florentino!
Dados técnicos:
Nome do Navio: MONTE BRASIL
Tipo de Navio: Contentores e Carga Geral
Indicativo de Chamada: CSEM
Número IMO: 9083055
Porto de Registo: Lisboa
Bandeira: Portuguesa
Ano de Construção: 1994
Estaleiro: J. J. Sietas - Hamburg
Comprimento Fora a Fora: 126,30 mts.
Boca Máxima: 19,40 mts.
Porte (Dwt): 8.846 tons.
Arqueação Bruta: 7.039 tons.
Arqueação Líquida: 3.867 tons.
Calado Máximo à Entrada: 5.60 mts.
Último Porto: Ponta Delgada
Próximo Porto: Leixões
Potência da Máquina Principal: 6.000 kw.
Potência do BowThruster: 500 kw.
Armador: Transinsular
Vista panorâmica do porto das Lajes, com o N/M "Monte Brasil", e o N/M "Lusitânia", da Empresa de Barcos do Pico, encarregue este último da ligação com a vizinha ilha do Corvo.

Corveta, "João Coutinho", abre a visitas na Ilha das Flores dia 1 de março

Copyright foto: Mário Silva, Santa Maria.
Fonte: Página Facebook: Marinha Portuguesa.
A Corveta da Marinha Portuguesa,  "João Coutinho", encontra-se actualmente a cumprir a sua missão de segurança e autoridade do Estado no mar nos Açores. Esta corveta estará  no dia 1 de Março  na Ilha das Flores, estando aberta a visitas nesse dia entre as 15h30 e as 17h30.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Futura sede da Atlânticoline, ficará situada na Horta

 © Copyright imagens: Atlânticoline.

O secretário regional dos Transportes dos Açores afirmou hoje, na ilha do Faial, que a futura sede da Atlânticoline, resultante da fusão entre esta empresa e a Transmaçor ficará situada na cidade da Horta. O governante aproveitou também para afirmar que a fusão não irá originar despedimentos. 
Fonte: Açoriano Oriental. Artigo Completo AQUI

Plano Integrado dos Transportes vai permitir aumentar a mobilidade e reduzir custos de acesso, assegura Vítor Fraga

© Copyright fotos: Gacs ; MM Bettencourt.
© Copyright texto: Gacs.
O Secretário Regional do Turismo e Transportes afirmou hoje que a implementação do Plano Integrado dos Transportes (PIT) dos Açores vai permitir aumentar a capacidade de mobilidade de pessoas e bens, reduzir custos de acesso e aumentar a facilidade de interligação e comodidade.



“A diminuição dos custos de contexto decorrentes dos transportes é essencial para um aumento da competitividade das empresas regionais e do bem-estar das famílias pelo consequente aumento do seu poder de compra”, frisou Vítor Fraga, que falava na apresentação do PIT, na cidade da Horta.

O titular da pasta dos Transportes recordou que o Governo dos Açores desenvolveu “um conjunto significativo de investimentos, em todas as ilhas, com o objetivo claro de criar as condições necessárias ao desenvolvimento do setor”, tendo também investido ao nível dos meios, visando a sua modernização, adequação às necessidades e dinamização do mercado.

Hoje, disse Vítor Fraga, “deparamo-nos com novos desafios”, sendo neste contexto que se torna imprescindível a implementação do PIT, para “definir os eixos para uma efetiva coordenação entre todos os meios de transporte, assegurando uma interligação de horários, logística, parâmetros operacionais e gestão de informação, dentro do fisicamente possível, numa lógica permanente de orientação para o serviço prestado aos cidadãos e às empresas”.

“O grande objetivo do Plano Integrado dos Transportes é aumentar a capacidade de mobilidade das pessoas e bens, através da redução do custo de acesso, da facilidade de interligação e comodidade, tanto nas ligações no interior de cada ilha, como nas ligações interilhas e com o exterior da região”, salientou.

Vítor Fraga afirmou que o Governo dos Açores pretende “ter um setor que procure de forma permanente a excelência operacional, ou seja, que associe a eficiência operacional das infraestruturas e meios existentes a uma objetiva orientação para satisfazer as necessidades dos cidadãos”.

O PIT divide-se em três eixos distintos, onde estão integradas as medidas a concretizar até ao final da legislatura, no âmbito das infraestruturas e equipamentos, do quadro regulamentar e dos instrumentos facilitadores.

Ao nível do investimento em infraestruturas e equipamentos, o PIT contempla, entre outras, a remodelação da Aerogare do Corvo, a ampliação do cais comercial das Velas, a ampliação do porto da Casa e a construção do novo cais e terminal de passageiros em São Roque do Pico, além da construção de dois novos navios com capacidade para 650 passageiros e 150 viaturas e da construção do terminal de carga da Aerogare Civil das Lajes, quando for possível, já que é uma obra condicionada pela alteração da Lei da Servidão Militar.

Será também desenvolvida uma plataforma agregadora de informação proveniente de diferentes fontes e bases de dados, “com o objetivo de implementar o Balcão Único, que possibilitará uma escolha mais eficiente dos meios a utilizar, facilitando o planeamento e a aquisição de bilhetes para viagens intermodais (aéreos/marítimos/terrestres)”, revelou o Secretário Regional.

Ao nível do quadro regulamentar, o PIT contempla a revisão das Obrigações de Serviço Público (OSP) do transporte aéreo inter-ilhas, e das OSP atualmente em vigor para as ligações entre a Região, o Continente e a Madeira, estando, no entanto, esta revisão, dependente de decisão do Governo da República.

Serão ainda definidas OSP para o transporte marítimo de passageiros inter-ilhas e elaborada uma proposta legislativa com vista à criação do Tráfego Regional, para flexibilizar o transporte marítimo de carga geral entre as várias ilhas dos Açores.

Por último, ao nível dos instrumentos facilitadores, será implementado o Balcão Único, através do qual será possível efetuar o planeamento de viagens intermodais e adquirir os respetivos bilhetes, com vista à promoção e incremento da mobilidade, através de uma escolha mais eficiente dos meios a utilizar.

Neste sentido, Vítor Fraga anunciou que “a SATA passará a comercializar, em qualquer um dos seus balcões de venda, os bilhetes para viagens marítimas no Triângulo”.

O PIT prevê também a “coordenação de horários de transportes aéreos e marítimos na Região Autónoma dos Açores para assegurar maior interligação entre ambos e uma maior mobilidade de passageiros e carga, quer inter-ilhas, quer nas ligações com o exterior”, disse o Secretário Regional.

Será ainda implementado o Serviço de Bagagem e Carga Aérea Integrada (SBCI), que permitirá garantir que qualquer utilizador possa levantar a sua bagagem no destino final, aquando de uma deslocação intermodal, reduzindo os tempos de espera, aumentando os níveis de conforto para o passageiro e permitindo ainda otimizar as rotas de carga aérea com o objetivo de abreviar o tempo de entrega no destino.

Na apresentação deste plano, Vítor Fraga salientou que o PIT ”não sendo um fim, é o meio" para que se possa aumentar os níveis de mobilidade dos Açorianos e de quem visita o arquipélago, “para que seja mais fácil, mais comodo e mais económico deslocar-se dentro da Região”.

O PIT vai agora ser apresentado à população em todas as ilhas dos Açores, iniciando-se esta fase hoje à noite na cidade da Horta.



As medidas a concretizar no âmbito do PIT e no decorrer desta legislatura estão inscritas em três eixos:

• Infraestruturas e Equipamentos

• Quadro Regulamentar

• Instrumentos Facilitadores

No eixo “Infraestruturas e Equipamentos”, com vista a aumentar a operacionalidade e os níveis de conforto e segurança dos passageiros, iremos:

• Remodelar a Aerogare do Corvo

• Requalificar a aerogare e construir uma nova torre de controlo na Graciosa

• Ampliar o cais comercial das Velas

• Ampliar o Porto da Casa, no Corvo

• Reabilitar o cais -12 do Porto da Praia da Vitória,

• E construir o novo cais e terminal de passageiros de São Roque do Pico.

Para incrementar a mobilidade dentro do Grupo Central dotaremos o Porto da Calheta de uma Rampa Roll On/Roll Off e melhoraremos a operacionalidade do Porto das Pipas.

Rolls Royce, projecta navios não tripulados

 Fontes: Exame Informática ; Bloomberg.
© Copyright imagens: Blue Ocean-Rolls Royce.
Na era dos drones, a  divisão de desenvolvimento, "Blue Ocean", da Rolls- Royce, está projectando navios de carga não tripulados. Navios-drone serão mais seguros, mais económicos e menos poluentes, além disso os marinheiros humanos pesam no navio, ocupam espaço, custam dinheiro e são os principais responsáveis pelos acidentes.
A Rolls Royce acredita que em dez anos deverá conseguir alterar a legislação atual, que proíbe as viagens de navios sem humanos. A outra guerra que deverá travar será com os sindicatos de marinheiros e com as tripulações para que os consiga dispensar de vez.
A equipe de desenvolvimento, "Blue Ocean", da Rolls Royce, pensa que estão reunidos  os requesitos tecnológicos, que permitem o desenvolvimento deste projecto. No seu escritório em Alesund, Noruega, a Blue Ocean, criou um prótotipo de uma ponte de comando de um navio que simula a visão de 360º graus. Este tipo de simulador poderá num futuro servir para comandar os navios a partir de terra.

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Novos ferrys do triângulo, iniciam operação em Março



 © Copyright fotos: Miguel Nóia, Faial.
Fonte: Açoriano Oriental.
Alguns visitantes tem efectuado a pergunta, "para quando o inicio da operação dos novos ferrys  do triângulo?". Sobre este assunto o  presidente da Atlanticoline, Dr. Carlos Reis, disse ao jornal Açoriano Oriental, esperar que os novos ferrys para as ligações nas ilhas do triângulo comecem a operar no início de Março, assim que estiver concluído o processo de certificação em curso.

Governo Regional, desiste da construção de um caís de cruzeiros em Angra do Heroísmo


© Copyright fotos: Gacs; João Mendonça, Terceira.
O secretário regional do Turismo e Transportes, Vitor Fraga, afirmou hoje na sequência de reuniões com a Câmara Municipal e  Câmara de Comércio de Angra do Heroísmo, que o Plano Integrado de Transportes do Governo Regional dos Açores não inclui a construção de um cais de cruzeiros em Angra do Heroísmo, mas prevê o regresso das ligações marítimas de passageiros inter-ilhas ao porto da cidade.

"O cais de cruzeiros de Angra será substituído por um investimento ao nível da modernização e da operacionalidade do Porto das Pipas, dotando-o de uma rampa ro-ro [roll-on, rol-off] e de uma solução, que a seu tempo apresentaremos, que visa sobretudo dar a centralidade que Angra sempre teve e fomentar rotas tradicionais, como aquela que existia entre Angra e a Calheta de São Jorge", salientou nesta segunda-feira, em declarações aos jornalistas, o secretário regional do Turismo e Transportes, Vítor Fraga.
Fonte: Publico (Artigo completo AQUI)

Descarga do N/M "Tuna 1", no porto da Praia da Vitória



 © Copyright fotos: Duarte Lourenço, Terceira.
© Copyright texto: Cte. Rui Carvalho, Terceira.
Pesquisa de dados técnicos: Paulo Peixoto, Boston EUA
O N/M "TUNA 1" é o segundo navio de cereais/aditivos para rações e escalar o porto da Praia da Vitória em 2014, e manifesta 2.000 toneladas de palmiste para o recebedor Terceirense Rações. Fundeou à segunda tentativa no sábado devido à forte vaga do quadrante Sul. Depois de uma primeira escala em Ponta Delgada seguirá para destino ainda desconhecido de acordo com o fado e vida de "trampão.
DADOS TÉCNICOS:

Nome: TUNA 1.
Tipo de Navio: Carga Geral.
IMO: 9148491.
Indicativo: ESU2633.
MMSI: 518686000.
Bandeira: Ilhas Cook.
Porto de Registo: Avatiu.
Matricula: 1722.
Donos e Operadores: Bergen Denizcilik Ltd. Sti.- Istambul, Turquia.
Classe: Nippon Kaiji Kyokai.
Ano de Construção: 1997.
Data de Entrada ao Activo: 01/06/1997.
Estaleiro: Jinling Shipyard- Nanjing, Republica Popular da China. Casco#96-7007.
Comprimento Fora a Fora: 100,58 metros.
Comprimento entre Perpendiculares: 94,80 metros.
Boca Máxima: 16,23 metros.
Pontal: 8,20 metros.
Calado: 6,40 metros.
Arqueação Bruta: 4,276 toneladas.
Arqueação Liquida: 2,177 toneladas.
Porte Bruto: 5,055 toneladas.
Gruas: 2X 40,00 toneladas.
Potencia de Maquina: 3,690 kw (5,017 hp), 750,00 rpm. 1 hélice CP, 188,00 rpm.
Velocidade de Serviço: 15,00 nos.
Potencia de Geradores Auxiliares: 1,430 kw.
Potencia de Thruster: 350,00 kw (476,00 kw).
Nomes Anteriores: Steamers Fervour (1997), Mir Damad (1997-2008), Ocean Bride (2008-2009), Bai Handelas (2009-2010), e Neri (2010-2013).


sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Atlânticoline, apresentou as principais características dos novos ferrys

A Administração da Atlânticoline, presidida pelo Dr. Carlos Reis, promoveu hoje uma conferência de impressa, em Ponta Delgada, que teve por objectivo dar a conhecer as principais características que servirão de base ao concurso de concepção e construção dos dois novos ferrys destinados a operar no serviço inter-ilhas, substituindo o habitual fretamento de navios.
O presidente da Atlânticoline, referiu na  conferência de impressa, que o investimento será efectuado com recurso a fundos comunitários, o que reduz o investimento necessário, tornando-se a prazo,  mais económico do que a opção de fretamento actual, uma vez que a vida útil dos navios situa-se entre os 20 a 30 anos.
Os dados aplicados nas características base, são baseados na experiência da operação actual, sendo que essas características,  são muito semelhantes ao ferry, "Express Santorini", uma vez que se trata do mesmo comprimento, um porte semelhante (749 t), com um upgrade na velocidade e certamente em outras questões. © Foto e logo: Atlânticoline.

Principais pontos apresentados:

 -Construção de 2 navios gêmeos.

- Comprimento 115 metros.

- Porte: 725 tons

- Velocidade 25 nós a 100%.

- 20 Camarotes.

- Estaleiros serão responsáveis por  conceber projecto e construção.

- Valor das construções orçadas em: 85 m€.

- Prazo para entrega dos navios: Operação de 2016.

- Propostas até 70 dias a partir de hoje.

- Capacidade mínima para 650 passageiros e 150 viaturas.

-  Rampa de popa e uma rampa lateral a bombordo 

-  Espaço para adaptação para combustível LMG (tanques de gás líquido).

Um Agradecimento pela colaboração ao Amigo José Pastor!

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Atlânticoline lança concurso público internacional, para a formação do contrato de conceção e construção de dois navios monocasco

Resolução do Conselho do Governo N.º 35/2014 de 20 de Fevereiro

Considerando que, na sequência da Resolução n.º 13/2010, de 18 de janeiro, em 23 de fevereiro de 2010, foi celebrado um contrato de gestão de serviços de interesse económico geral relativo à construção e exploração de navios de transporte de veículos e passageiros entre as ilhas do arquipélago dos Açores, entre a Região Autónoma dos Açores, o Fundo Regional de Apoio à Coesão e ao Desenvolvimento Económico (Fundo Regional de Coesão) e a Atlânticoline, S. A. (Atlânticoline), o qual incorporou e substituiu o contrato de gestão de serviços de interesse económico geral relativo à exploração de navios de transporte de veículos e passageiros entre as ilhas do arquipélago dos Açores, celebrado em 8 de novembro de 2005, na sequência da Resolução n.º 152/2005, de 3 de novembro, com as alterações que lhe foram introduzidas pelas Resoluções n.ºs 39/2006, de 20 de abril, 9/2007, de 25 de janeiro, e 114/2008, de 1 de agosto;
Considerando que, pela Resolução n.º 9/2014, de 20 de janeiro, foi autorizada a alteração do contrato anteriormente referido, de acordo com a qual, entre o mais, foi alterada a alínea b) do n.º 1 da cláusula 1.ª, daí decorrendo para a Atlanticoline a incumbência de propor o lançamento do procedimento de concurso público, com publicidade internacional, para a formação do contrato de conceção e construção de dois navios monocasco, tendo como caraterísticas de referência a capacidade para 650 passageiros e 150 viaturas, bem como preparar o programa desse procedimento, o caderno de encargos e as demais peças concursais, para aprovação pelo Governo Regional, e praticar os demais atos que nos termos da lei e do procedimento adotado sejam cometidos à entidade competente para a decisão de contratar ou ao contraente público;
Considerando que a mencionada alteração ao contrato foi outorgada a 6 de fevereiro de 2014, entre a Região Autónoma dos Açores, o Fundo Regional de Coesão e a Atlânticoline;
Considerando que a Atlânticoline, em cumprimento do estabelecido na alínea b) do n.º 1 da cláusula 1.ª do citado contrato de gestão de serviços de interesse económico geral, submeteu à aprovação do Governo Regional o lançamento do procedimento do concursal anteriormente referido e as correspondentes peças.
Assim, nos termos das alíneas d) e h) do n.º 1 do artigo 90.º do Estatuto Político-Administrativo da Região Autónoma dos Açores, e da alínea b) do n.º 1 da cláusula 1.ª do contrato de gestão de serviços de interesse económico geral relativo à construção e exploração de navios de transporte de veículos e passageiros entre as ilhas do arquipélago dos Açores, celebrado em 23 de fevereiro de 2010, e alterado em 6 de fevereiro de 2014, o Conselho de Governo resolve:
1- Aprovar o lançamento, pela Atlanticoline, SA, do procedimento de concurso público, com publicidade internacional, para a formação do contrato de conceção e construção de dois navios monocasco, com capacidade mínima para 650 passageiros e 150 viaturas.
2- Aprovar o programa do procedimento, o caderno de encargos e demais peças concursais apresentadas pela Atlanticoline, SA.
3- A presente resolução produz efeitos à data da sua aprovação.
Aprovada em Conselho do Governo Regional, na Horta, em 10 de fevereiro de 2014. - O Presidente do Governo Regional, Vasco Ilídio Alves Cordeiro.

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Manobra do graneleiro, "Polaris Star" na Praia da Vitoria









© Copyright texto e fotos: Cte Rui Carvalho, Praia da Vitória.
Pesquisa de dados técnicos: Paulo Peixoto, Boston EUA
O primeiro graneleiro de 2014 a escalar o porto da Praia da Vitória é o N/M "POLARIS STAR", que manifesta 8.747 toneladas de milho carregado no porto Búlgaro de Varna com  destino aos recebedores terceirenses, UNICOL e Terceirense Rações. O restante lote de sensivelmente igual tonelagem seguirá para o porto de Ponta Delgada. Curiosamente este navio esteve abrigado a sul de Espanha e depois na zona da Madeira durante duas semanas, provavelmente procurando abrigo resguardando-se dos temporais que assolaram nessa altura o Atlântico Norte.
Nome: POLARIS STAR.
Tipo de Navio: Graneleiro.
IMO: 9476068.
Indicativo: 9HFI9.
MMSI: 256908000.
Bandeira: Malta.
Porto de Registo: Valletta.
Donos: Atlas Gemi Isletmeciligi Ltd.- Istambul, Turquia.
Operadores: Polaris Shipping & Trading Ltd.- Istambul, Turquia.
Classe: Bureau Veritas.
Ano de Construção: 2007.
Data de Entrada ao Activo: 27/12/2007.
Estaleiro: Linhai Hongsheng Shipbuilding Co. Ltd.- Linhai, Republica Popular da China. Casco#0503.
Comprimento Fora a Fora: 152,00 metros.
Comprimento entre Perpendiculares: 143,00 metros.
Boca: 21,00 metros.
Pontal: 12,15 metros.
Calado: 8,50 metros.
Arqueação Bruta: 10,965 toneladas.
Arqueação Liquida: 6,106 toneladas.
Porte Bruto: 16,884 toneladas.
Gruas: 2X 25,00 toneladas.
Potencia de Maquina: 3,824 kw (5,199 hp), 520,00 rpm. 1 hélice.
Velocidade de Serviço: 12,40 nos.
Potencia de Maquinas Auxiliares: 849,00 kw.
Nomes Anteriores: Jin Cheng Zhou 130 (2007) e Avenue Star (2007-2010).
Manobra de uma perspectiva diferente
© Copyright fotos: Carlos Medeiros, Terceira.





terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

N/D "Ilhéu da Mina", no porto da Graciosa

 Algumas fotos  obtidas hoje que registam a primeira  escala do ano do navio draga, "Ilhéu da Mina", no porto da Graciosa. Esta draga é propriedade da empresa, Açores Madeira-Sociedade de Extracção e Comércio de Areia dos Açores Lda. 
Nome: Ilhéu da Mina
Nº IMO: 7533288
Tipo: Draga
Ind. chamada: CSXM9
MMSI: 204 670 340
Bandeira: Portuguesa
Porto de registo: Angra do Heroísmo
Operador: Açores Madeira, Lda
TAB/TAL: 906/518 Tons
DWT: 1373 tons
Ano de cosntrução: 1977
Estaleiro: Buys Scheepsbouw BV, casco 31
Comprimento: 62,95 mts
Boca: 9.9 mts
Calado: 3,6 mts
Nomes anteriores: Riosal, River Herald, Bandettie, Sirenitas.