Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

domingo, 25 de março de 2018

"Estaleiro de Minúcias", de Humberto Cipriano


© Copyright fotos: Humberto Cipriano; Safehaven Marine; Mário Silva.
Apresento hoje um post sobre Modelismo Naval,  neste caso específico, dedicado ao trabalho do amigo, Humberto Cipriano, proprietário do "Estaleiro de Minúcias", de Recife, Brasil.
Acompanho desde algum tempo através da rede social Facebook as suas excelentes construções, tendo registado com satisfação que havia realizado uma réplica da lancha de Pilotos, "Diogo de Teive", e uma outra da corveta da Marinha Portuguesa, "João Coutinho". As suas construções abrangem vários tipos de navios e de dimensões, uma vez que é o cliente que escolhe a dimensão/escala pretendida. A qualidade do seu trabalho está patente nos trabalhos realizados. Para quem aprecia o modelismo naval, mas tal como eu, não nasceu com o dom de criar estas pequenas obras de arte, se pretender pode encomendar o seu navio neste estaleiro, sendo os modelos enviados para todo o mundo pelos Correios, se for peças pequenas, ou por transportadora se for peças grandes. Para tal basta entrar em contacto com o modelista através da página no Facebook (AQUI), do Whatsapp  55 (81) 98732.5943, ou por email:humbertocipriano2012@yahoo.com.br.











4 comentários:

Luís Henriques disse...

Gostei do optimismo do Alouette a operar na corveta... bem sei que isso, de facto, aconteceu mas teve que se esperar pela década de noventa para ser uma realidade.
abraço

Manuel Bettencourt disse...

Boas Luís,

Não fazia ideia que tal havia acontecido! Já me ensinaste algo hoje!

Cumprimentos
Manuel

Luís Henriques disse...

Caro Manuel, sim, mas julgo que foi uma situação excepcional. Não tenho conhecimento profundo acerca do assunto mas pelo pouco que sei, parece-me que as corvetas estavam projectadas inicialmente para operarem um Alouette III com um hangar extensível (como acontecia com navios franceses ou espanhóis? da época). Porém, a "austeridade" parece que só permitiu a plataforma...
Talvez alguém por aqui saiba mais alguma coisa que possa partilhar. Há fotos (link) sobre essa acção. Abraço

https://barcoavista.blogspot.pt/2009/11/corvetas-da-classe-joao-coutinho.html

Manuel Bettencourt disse...

Obrigado Luís,