Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

domingo, 20 de novembro de 2016

"Express Santorini" vendido para os Emirados Árabes Unidos

© Copyright foto: George Gbidis, Grécia.
© Copyright fotos: MM Bettencourt, Graciosa.
O "Express Santorini", foi vendido pela Portucalense Shipping Company, à SAMC Cargo Shipping Company, e renomeado de "Al Salmy 4". Ostenta agora a bandeira dos Emirados Árabes Unidos, e tem como porto de registo, Abu Dhabi. Assim sendo, o "Express Santorini", não fará  parte da operação ferry sazonal da Atlânticoline para 2017. 
Alguns viam no, "Express Santorini", um navio velho (não digo que não), mas eu via nele um exemplo como ferry, resistente, e um exemplo de polivalência. Fico triste!



Dia 12 de Setembro de 1973, nos estaleiros, Dubigeon, ille de Nantes, França, o N/F "Chartres" (casco nº 137), desce a rampa e entra na água pela primeira vez. O, "Chartres" foi encomendado aos estaleiros Dubigeon, pela SNCF (Société Nationale dês Chemins de fer Francais), nasce assim um ferry com a acrescida capacidade de transportar vagões dos caminhos de ferro na ligação entre as margens do Canal da Mancha, as suas origens são uma das razões para a sua robustez, ainda hoje o navio possui os carris dos caminhos de ferro no seu car-deck. De forma simplista este (e outros) foi um dos antecessores do Euro túnel.


O, "Chartres", foi renomeado de,  "Express Santorini" (1993), pertence actualmente à Portucalence Shipping Company, com sede em Piraeus, que o adquiriu recentemente à Hellenic Seaways, sendo gerido pela, Hellenic  Shipping Transportes Lda., estando nos últimos anos durante o Verão a operar nos Açores ao serviço da Atlânticoline. Este ferry têm  já uma longa história (foi entregue à SNCF a 9-1-1974) , e efectuou desde então ligações entre as margens do Canal da Mancha, até ao transporte de tropas para a primeira guerra do Iraque, evacuação de estrangeiros da Líbia,  e claro o serviço na Grécia e Açores.

Se o, "Express Santorini", mantém-se em actividade infelizmente os estaleiros que o viram nascer fecharam em 1987, o primeiro estaleiro naval da família Dubigeon foi criado em 1760 por Julien Dubigeon, carpinteiro de profissão. No final do sec. XVIII, Nantes torna-se o primeiro porto de comercio francês, e isso contribuiu para o desenvolvimento da vila e para a prosperidade dos armadores de Nantes, com o consequente desenvolvimento do transporte marítimo o estaleiro Dubigeon também foi crescendo, tendo transformado-se num nome de destaque na construção naval. Para preservar esse orgulhoso passado histórico, a edilidade recuperou a zona dos Chantiers Dubigeon, criou-se a Maison des hommes et des Thécniques ( uma espécie de museu), e foi também restaurada e adquirida pela edilidade a grua TITAN.
Fontes: Commons Wikimedia;Wikipedia.

4 comentários:

Luís Henriques disse...

Bem, mais umas continhas que terão de ser feitas para a operação 2017, não?

Manuel Bettencourt disse...

Boas amigo,
Verdade!Ficou curioso agora a pensar na próxima operação ferry!
abraço
Manuel

CAP CRÉUS disse...

Apesar dos pesares, não posso deixar de sentir alguma saudade desse bicho, bem como achar que "alguém" devia comprar de vez um menino parecido a este para o ano inteiro.

Deixa-me saudades e boas recordações.

Abraço

Unknown disse...

Concordo plenamente com você