Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

domingo, 11 de abril de 2010

Uma visita ao Farol da Ponta da Barca


Pela primeira vez tive o prazer de visitar o Farol da Ponta da Barca, que comemor
ou recentemente 80 anos de luz, este farol é uma bonita construção, um autêntico ex-líbris da ilha Graciosa, sendo também um autêntico museu muito bem preservado, que oferece aos seus visitantes uma interessante viagem pelos seus oitenta anos de história da ciência da sua luz. Este farol (tal como outros nos Açores), foi durante muitos anos uma espécie de relógio, pois quando acendia a sua luz, marcava o fim de longos e duros dias de trabalho nos campos, nos tempos em que o dia de trabalho era de sol a sol.


O Farol da Ponta da Barca, propriedade da Marinha Portuguesa, localiza-se na Ponta da Barca, na costa noroeste da ilha G
raciosa.

O farol é constituído por um edifício simétrico, de um só piso, do qual se eleva uma torre cilíndrica central, de cor branca com listas cinzentas com 23 metros de altura, o que somado com a altura da falésia sobre a qual foi construído, coloca a sua luz a 71 metros de altitude acima do nível médio do mar.
O farol é de segunda ordem , entrou em funcionamento a 1 de Fevereiro de 1930, sendo que os equipamentos de relojoaria, a óptica e a lanterna que a aloja foram adquiridos em França, por 804 200 francos franceses ( na altura 72.378$00 escudos) .
O farol da Ponta da Barca tem hoje a torre mais alta dos faróis dos Açores, encontrando-se numa zona muito exposta às intempéries o que exige cuidada manutenção.
A electrificação ocorreu em 1958 com a instalação de dois grupos electrógeneos e, a partir de 1999, passou a ser abastecido com energia eléctrica da rede pública e foi também automatizado.


Motor Lister de 1958, totalmente operacional.


Deixo uma Saudação aos actuais faroleiros, pela simpatia na visita e pelo excelente trabalho de preservação, Saudação também extensiva a todos os que por aqui passaram ao longo destes 80 anos.
Contudo uma visita ao Farol, e após subir os seus 114 degraus, não estaria completa sem olhar para a sua fiel companhia o “Ilhéu da Baleia”, uma curiosa formação rochosa em forma de baleia.

(©) Copyright fotos: MM Bettencourt, Graciosa. / Fonte: Wikipédia.

4 comentários:

João Gonçalves disse...

Caro Manuel,
Parabéns pela sua excelente reportagem, que considero um dos melhores registos fotográficos que já vi sobre um farol. O farol da Ponta da Barca está com uma apresentação e aprumo irrepreensíveis graças ao trabalho da sua guarnição liderada pelo faroleiro Jorge Soares, recentemente e justamente louvado pela Marinha.

Manuel disse...

Caro Amigo, João R. Gonçalves, Obrigado pelas suas simpáticas palavras, este farol encantou-me, quanto ao faroleiro Jorge Soares que me guiou nesta visita, ainda bem que a marinha reconhece os bons serviços, aproveito também para Agradecer a simpatia e as interessantes explicações prestadas pelo Sr. Jorge Soares durante a minha visita.
Cumprimentos e volte sempre
Manuel

Rui Carvalho disse...

Caro Manuel Maria

Reforço o comentário do Sr. Comandante Gonçalves, de facto o aprumo do farol demonstrado pela tua reportagem fotográfica é fruto de uma dedicação inexcedível, só possível por alguém que dedica muito amor à sua profissão.
Desconhecia que o faroleiro Jorge Soares e a sua guarnição tinham sido louvados, é mais que justo o louvor avaliando o serviço prestado.
Bem hajam.

Abraço

Rui Carvalho

Manuel disse...

Caro Amigo Rui, Obrigado pelo teu comentário, tu dizes bem Dedicação, eu como sabes diria, Esforço, Dedicação, Devoção e um merecido Louvor.
Abraço
Manuel