Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

domingo, 23 de outubro de 2011

Atlântida não atinge 19 nós

(©) Copyright foto: Carlos J. Gomes / Retirada do Forum da Defesa.
Hoje o jornal Açoriano Oriental, publica um artigo sobre os teste de mar realizados ao N/F "Atlântida" em 2009, e surpervisionados pela Germanischer Lloyd, segundos os dados obtidos na altura o navio atingiu uma velocidade de 16,5 nós a 85 por cento da potência dos motores, quando o contrato exigia 19 nós.O relatório denominado ‘Ship Speed and Power Measuremenst on MV Atlântida’, com o número NB-EE 2009.048 B, indica que o navio Atlântida atingiu uma velocidade máxima de 17,78 nós quando usava 110 por cento da potência dos seus dois motores.
O contrato entre os ENVC e o Governo dos Açores exigia uma velocidade de 19 nós a 85 por cento da potência dos motores, admitindo que o navio poderia ser aceite se atingisse uma velocidade entre 18 e 19 nós, definindo para o caso clausulas indemnizatórias.
No início de Outubro, o secretário de Estado da Defesa, Paulo Braga Lino, disse à Lusa que o Atlântida tinha conseguido atingir uma velocidade superior à contratualmente prevista durante os testes de mar recentemente realizados. ( In Açoriano Oriental, clique para aceder ao artigo completo ).
Afirmamos neste blog, que o navio terá conseguido atingir os 19 nós na viagem de Viana do Castelo para Lisboa, sabendo que o navio possui agora uma nova  pintura no casco submerso constituída á base de silicone e que esta poderá contribuir para um aumento da velocidade, resta agora saber se determinados factores ( correntes e direcção do vento etc) terão contribuído para atingir essa velocidade, ou se para além disso haverá mais algumas alterações no navio.
Entretanto para quem têm curiosidade em tentar perceber esta história triste, aconselho uma visita ao Forum da Defesa onde se pode ler muitas postagens interessantes( LINK,), eu com a ajuda de alguns amigos tenho feito algumas pesquisas, mas resumindo fico-me por uma frase que li neste link "O navio não foi mal construído, foi mal projectado", concordo também com algumas observações feitas a políticos, ou seja o caso do Atlântida não é nem mais nem menos que o espelho da situação do país, à qual fomos conduzidos por políticos "competentes".
Os comentários são sempre Bem-vindos desde que não ponham em causa o brio profissional dos trabalhadores dos ENVC, nem a dignidade do povo açoriano, tenho visto alguns comentários sobre este tema deveras ofensivos,  Felizmente os habituais Comentadores deste blog são pessoas educadas e correctas.

23 comentários:

Rui Carvalho disse...

Caro MMB

Muito bem dito!
Todos nós sabemos a verdade só que não a podemos provar.

Abraço

ErrE

Farinha disse...

Sim,a pintura de silicone confere mais velocidade.
Bom!
O casco submerso do Volcan de Tijarafe foi pintado com tinta de silicone, conferindo mais um nó de velocidade segundo informação do estaleiro Hirros de Barreras, o mesmo se passa com os gémeos Teide e Tinamar.
Agora, acredito que o vento e a corrente marítima beneficiaram a velocidade conseguida de 19 nós entre Viana do Castelo e Lisboa.
Para uma maior transparência, neste resultados, o navio terá que efectuar mais testes de mar inclusive com vento desfavorável.
Um abraço
Paulo Farinha

Anónimo disse...

Hey, you stated in a much more direct way what I was trying to communicate, thanks, I will recommend your site to my friends.

My blog:
dsl preisvergleich und dsl vergleich

Manuel disse...

Amigo Rui, bem sabes o quanto já falamos sobre este assunto, bem sabes aquilo que tenho dito nos ultimos tempos, uma coisa é certa os culpados estão bem e recomenda-se!
Um Abraço,
Manuel

Amigo Paulo Farinha, diz bem, até porque sei que em matéria de Naviera Armas é especialista.

Quanto ao que diz de testes de mar, seria interessante fazer mais até porque um teste de mar compreende a saida de um porto e o regresso a esse mesmo porto depois de efectuados alguns testes, e já agora um navio português deve-o fazê-lo com CMDTE português e tripulação e parece que não foi o caso.
Um Abraço,Manuel

Hello, thanks for the coment nice blog
Manuel

Jordão disse...

Muito bem escrito. Mais uma vez copiei para o Candilhes. Como já sei que não fica chateado ;)

Um abraço.

Manuel disse...

Boas Amigo Jordão, como diria um puto novo " é na Boa" hehhe.
Um Abraço,
Manuel

Anónimo disse...

Ui manuel!
Outra vez a mesma História!

Esta noticia nao e um pouco velha e desatualizada?

Abraço

Manuel disse...

Meu Amigo uma novela tem vários episódios, e alguns parecidos, este é mais um episódio, o que de diferente aqui está é que o Secretário de estado quis fazer crer ( recentemente) que na altura dos testes de mar (2009) o navio teria atingido 19 nós, este artigo do jornal explica o que aconteceu.

Um Abraço,
Manuel


PS: Também o artigo do AO e da Lusa estão desactualizados? olha que esses são profissionais, e não são palermas como eu qe perde tempo para publicar algumas coisas neste espaço.

Anónimo disse...

Manuel, nao adianta, nem vou perder tempo em discuções

Isto ha-de ser julgado na justiça

O AO e a LUSA no minimo divulgaram uma noticia com valores falsos!

Manuel disse...

Boas, tu lá sabes aquilo que te apetece fazer é livre. Quanto as discuções ninguem esta a discutir, apenas podemos ter opinião diferente em relação a actualidade ou não do post.
Ir para Tribunal? Esquece que isso nao vai acontecer, podes ter a certeza, e se fôr ficas na mesma.

Quanto aos valores, como calculas não posso jurar quais são, baseei-me nesses artigos.

Um Abraço,
manuel

Ps. não te esqueças que estou escrevendo e que posso não explicar da melhor forma aquilo que penso, se fosse uma conversa pessoal podia sempre acrecentar " é pá não é isso que estou a referir"

Anónimo disse...

O governo açoriano deveria no meu entender pagar o Navio e toda a despesa que ele deu os ENVC, é a custa dessas pessoas incompetentes que os ENVC estão agora como estão.
Bem eles são incompetentes que nao quiseram o Atlantida que depois foram alugar uns navios que andavam menos e por um preço ainda mais elevado...

Ao vosso governo Açoriano só tenho 3 palavras:
Por Amor de Deus

Anónimo disse...

Eu tenho esperança que um dia neste Pais ainda ha-de haver justiça

Porque continuam a poluir a opiniao publica com os 19 Nós quando o contrato sao 18?

Manuel disse...

Caro Visitante, só um reparo no que referes, podes até ter razão em algumas das tuas observações, mas o Santorini, ultrapassa os 19 nós e o Hellenic nem vale a pena falar!

Anónimo disse...

O que é que o Santorini e o Hellenic tem a ver com o caso?

Pronto o Atlantida manobra sem rebocadores ...... a culpa é do lobby dos rebocadores! lol

desculpem lã a piada!

Não misturem tudo!

Anónimo disse...

Boas caro farinha

sim os ferrys da Armas foram revestidos em viana do castelo pela Hempel com Hempasil X3

E tipo um gel de silicone

http://www.hempel.dk/Internet/inecorporatec.nsf/vHEMPELDOC/A4269DA5B905F263C1257508004B44EA?OpenDocument&1

Manuel disse...

O que é que o Santorini tem a ver para o caso? quem disse que em vez do Atlantida alugaram navios mais lentos? respondi a isso!

Quanto à piada do rebocadores, parece-me mais gozo do que piada!
Podemos dizer haver um lobby da carga quanto a rebocadores bem sabes que não.


se fores o Amigo do link tu sabes bem a minha opinião!

Lê no post duas coisas:
1ª "O navio não foi mal construido, foi mal projectado"
2ª- não aceito comentários que ponham em causa o brio profissional dos trabalhadores dos ENVC.

Achas que estou contra o estaleiro?
Na minha opinião existe culpas mas de vários e não de apenas um, e esse culpados estão bem e recomenda-se.

Não me vou chatear contigo ou com outra pessoa por causa de asneiras de politicos ( dos dois lados), já me basta pagar por elas.

Para falar deste navio teriamos que começar pelo principio, desde a ideia politica do que deveria ser o projecto, da elaboração do projecto russo, dos erros do projecto, da soluções apresentadas para a sua solução.

Como não sei se és o Amigo do link ou então o ENVC, fico-me por aqui, tu podes dizer tudo o que pensas eu não, ou melhor posso dizer mas não aqui, não te esqueças onde trabalho.

um Abraço
Manuel

Anónimo disse...

Caro manuel, eu estava a responder ao teu comentario, mas ao comentario das 13:37

Era brincadeira mesmo! vamos la a acalmar os animos.

Anónimo disse...

Caro manuel,

sabes muito bem
Nesta Historia, nao se vai saber a verdade porque nao há um criminoso e uma vitima, Ha dois criminosos, um de cada lado da barricada.

E quem se lixou foi o mexilhão
quem trabalha e quem paga impostos

Nao és so tu nao nao pode dizer tudo o que sabe acredita!

Manuel disse...

Boas, exactamente estamos de acordo, acredita!
Tou calmo, não é nada de especial, se isto fosse numa conversa era diferente, na escrita podemos ser mal intrepertados.
Um dia quando achar que posso ( mesmo que leve mais uns meses ou anos ) vou fazer um post sobre tudo o que penso.
Por agora é melhor estar calado.
Um Abraço
Manuel

Anónimo disse...

Boas Manuel nao asei se e o post mais indicado mas aqui fica

Atlanticoline desce exigencias dos novos ferrys para velocidades ainda inferiores aos primeiros teste de mar do AtlNTIDA!

"Os novos barcos para transporte de passageiros e veículos entre as Ilhas do Triângulo, nos Açores, poderão ter motores menos potentes e atingir velocidades mais reduzidas do que o que estava inicialmente previsto no concurso lançado pela Atlânticoline. O novo caderno de encargos do concurso para a construção dos dois 'ferries' que vão assegurar as ligações marítimas entre as ilhas do Faial, Pico e S. Jorge, reduziu a velocidade máxima dos barcos de 16,5 para 16 nós e a velocidade de serviço de 16 para 14 nós.



Carlos Reis, presidente da Atlânticoline, salientou que a redução de meio nó na velocidade máxima está relacionada com a necessidade de reduzir os custos da operação, nomeadamente com o combustível. "Estamos a falar da velocidade máxima passar de 16,5 para 16 nós, o que tem implicações na potência dos motores e no consumo de combustível", frisou. O presidente da Atlânticoline salientou, por outro lado, que a alteração do caderno de encargos relativamente à velocidade de serviço dos barcos, que baixa de 16 para 14 nós, só vai ocorrer numa das rotas que serão asseguradas pelos navios.

"Na rota entre Madalena (Pico) e Horta (Faial), que é uma viagem de 30 minutos feita hoje a uma velocidade de 12 nós, é nossa intenção não chegar a utilizar a velocidade máxima", frisou, acrescentando que realizar essa viagem a uma velocidade de 14 ou 16 nós representaria apenas uma "diferença de um minuto". A potência dos motores dos dois barcos poderá também ser reduzida com as alterações impostas no novo caderno de encargos. A versão inicial determinava que as embarcações deveriam operar em 60 por cento do tempo entre 85 a 100 por cento da sua potência máxima, exigência agora reduzida para menos de metade da potência (45 por cento) em 80 por cento do tempo. Carlos Reis considerou que se trata de alterações "estritamente técnicas", relacionadas com o facto de os navios não necessitarem da potência máxima na velocidade de cruzeiro, mas, sobretudo, nas manobras de atracagem, especialmente com mau tempo."

DA VONTADE DE RIR AFINAL A VOLOCIDADE NAO ERA ASSIM TAO IMPORTANTE

PODES FAZER UM NOVO TOPICO DE DEBATE

ABRAÇO!

Manuel disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anónimo disse...

Nao sei que te diga!

O melhor e começarmos todos a rezar ao Divino Espirito Santo para ilumine estas mentes!

o Projecto é do tal Gabinete Ingles que fez o estudo para os transportes entre ilhas

Manuel disse...

Boas Já vi que era da BTM, esses fizeram um estudo para chegar á conclusão que os HSC eram navios adequados para o mar dos Açores, e ainda dizem que para sermos poupadinhos teria-se que desistir das Flores e Corvo , ... Poupadinhos com HSC???
O ante projecto é deles,... pronto não digo mais´.

Abraço,
Manuel