Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

Recordando o, "Pai da contentorização", em dia de "Ponta do Sol"



Hoje foi dia de, "Ponta do Sol", ou seja, dia de contentores, e por falar em contentores, lembrei-me  de Malcon Mclean, o notável americano considerado o "Pai da contentorização".
Malcon Purcell Mclean, nasceu em 1913, em Maxton, Carolina do Norte, EUA e faleceu em 2001, é considerado, “ O pai da contentorização”.
Depois de concluído o liceu, Mclean foi trabalhar para uma bomba de combustível, onde ganhou dinheiro para comprar um camião em 2ª mão por 120$. Juntamente com a sua irmã, Clara Mclean, e seu irmão,, Jim Mclean fundaram a Mclean Trucking Co. Iniciaram a sua actividade com apenas um camião,  mas transformaram-na na 2ª maior dos EUA com 1770 camiões.
Os anos passados no negócio dos transportes mostraram a Mclean a necessidade de um método mais simples de embarcar mercadorias, ele observava o carregar das mercadorias dos camiões pelos estivadores para os navios, e pensou se não seria fácil carregar o trailer completo para o navio. As companhias de navegação estavam cépticas quanto à ideia de Mclean, tendo ele então criado a Sea-Land Inc. que nos finais de 1990 vendeu à. Maersk Shipping. O primeiro navio de contentores foi o, “Ideal X", um ex-navio tanque da II guerra mundial, convertido que podia transportar 60 contentores isto em 1956. Hoje os contentores, e os porta-contentores, estes cada vez maiores,  desempenham um papel fundamental, no comercio mundial.
Malcom Mclean foi considerado “ Homem do século “ pelo International Maritime Hall of Fame.
Fonte: Wikipédia /Who made América. (©) Copyright fotos: 1ª Time Life Pictures. 

4 comentários:

CAP CRÉUS disse...

Obrigado por esta aula de história.
Adoro contentores :-)
Abraço

Rui Carvalho disse...

Caro MMCB

Parabéns pelas fotos, as que publicaste e as outras que simpaticamente me enviaste, todas fantásticas.
Duas lições tirei das fotos, que dos dois navios não sei quem faz verdadeiro serviço publico, e que a polivalência é uma palavra que na Portos dos Açores tem significado.
De ambas as lições agradeço-te e tenho orgulho.

Abraço

ErrE

Manuel Bettencourt disse...

Caro ErrE,

Em relação ás fotos, obrigado! pura simpatia tua!
Quanto a quem faz serviço público, julgo que apenas um o faz segundo a lei, certo?

Relativamente à polivalência, é uma necessidade de portos de dimensão reduzida, que pode ser aplicada a outros de dimensão superior :).


Abraço
MAnuel


Manuel Bettencourt disse...

Caro Cap Créus,

Também eu professo essa religião :)

Abraço
Manuel