Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Ro-ro "Agean Pearl", em Ponta Delgada com a logística do Sata Rallie 2012

Hoje tem inicio o Sata Rallye Açores 2012, prova do IRC, que irá animar as estradas da bonita ilha de S. Miguel. Mas para realização deste evento, foi preciso uma "estrada" para fazer chegar a Ponta Delgada as viaturas e restante logística da prova, essa "estrada" este ano foi assegurada pelo ro-ro de bandeira grega, "Agean Pearl".
Interessante registar que o sistema ro-ro, está associado à realização desta prova e de outras do mesmo tipo que se realizam pelo arquipélago. 
(©) Copyrights fotos: António M. Dias de Simas, Ponta Delgada.

18 comentários:

Victor disse...

Com esta agora eu não esperava caro Manuel. Estava a achar estranho esse navio aparecer em PDL no marinetraffic por esta altura. Sempre me lembro do Rallye dos Açores ser no verão, aliás pouco antes do Rallye da Madeira que é no inicio de Agosto. Tá certo que também não tenho ligado muito a estas coisas do desporto automobilistico mas agora fiquei surpreso.

Manuel disse...

Caro Amigo Victor, também não sei as razões de esta antecipação, provavelmente terá a ver com o calendário da prova a contar para o IRC, digo eu porque de rallyes não percebo nada.
Abraço,
Manuel

Mar Azul disse...

Boas este ano e mais cedo porque a fia escolheu o sata rally azores derivado ao rali do monte caro que e o que iniciava o IRC ter passado para o wrc

Manuel disse...

Boas, Mar Azul, Obrigado pela explicação, não fazia ideia.
Abraço,
Manuel

Anónimo disse...

Está a precisar de ir ao estaleiro...o casco...uiui

Manuel disse...

Boas, talvez uma ida ao estaleiro não fize-se mal.
Abraço,
Manuel

Anónimo disse...

Gostava de saber quem paga esta brincadeita toda? Será a região, quer dizer o nosso bolso a suportar ou comparticipar estre fretamento e estadia portuária de 8 dias em PD Olha que 1 ro-ro ferry de 14000 tons deve ser uma diária "leve".

Bruno Rodrigues disse...

Estive perto deste navio. Que coisa mais feia... (perdoem-me os apreciadores do mesmo)

Manuel disse...

Caro anónimo, quem paga esta, é o mesmo que paga esta e outras aqui e em todo o lado, o José Povinho
Cumprimentos,
Manuel

Amigo Bruno, aprecio o tipo de navio, mas como dizes deve está um pouco "enferrujado".
Bem mas o interessante é que um Amigo meu foi Imediato neste ro-ro, diz-me que este tem trés decks um superior acesso por uma rampa fixa e um inferior acesso por elevador, quanto à rampa tem um angulo operacional de 45º.
O ro-ro é um tipo de navio interssante, algo que não é habitual por cá.
Abraço,
Manuel

Victor disse...

Manuel, ao ver este navio Ro-Ro, lembrei-me de um outro de côr parecida mas que foi da Portline e que fez a linha Lisboa-Funchal. O "Cidade de Funchal". Esse tinha todas as caracteristicas para vingar numa linha insular pois além de contentores em cima, era Ro-Ro. Era um misto, tal como os que a OPDR ou a ARMAS usam para Sevilha.
Além da grande rampa na popa, tinha logo do lado direito atrás uma rampa lateral de tamanho considerável que era descida no terminal norte do Porto do Funchal para descarregar as viaturas e carga rodada. Mais tarde a pressão dos outros armadores foi tão grande que acabou por haver uma cartelização de preços e a Boxlines acabou mesmo por mudar para navios Box Shape.
Vale sempre recordar a Portline 1ª que tentou lutar "contra o sistema".
Em memória:

http://farinha-ferry.blogspot.com/2009/01/cidade-de-funchal-navio-roro-no-funchal.html

http://farinha-ferry.blogspot.com/2010/05/o-1-navio-roro-portugues-cidade-de.html

http://marportosanto.blogspot.com/2011/09/cidade-de-funchal.html

Manuel disse...

Caro Victor, amigos meus dizem-me que uma linha ro-ro entre Lisboa e Açores não seria rentável, sinceramente não sei, mas de qualquer maneira não estamos a falar disso.
"E esta é das poucas que não depende quase só da cabotagem insular."
Esta sua frase noutro post resume muita coisa, como histórias sobre ferrys dos Açores e Madeira.
Mais não vou dizer, até porque o meu amigo sabe o que eu diria.
Abraço,
Manuel

Victor disse...

Manuel, compreendo. Após o Armas deixar a Madeira, houve um debate na RTP Madeira em que se falou do assunto e o representante do grupo sousa disse que a operação em ferrys com carga rodada era várias vezes mais cara, mas caramba... Aquele "Cidade de Funchal" era um navio misto... Contentores por cima e Ro-Ro por baixo... à semelhança do serviço da OPDR e da ARMAS para Sevilha. Era suposto contrabalançar mais a coisa. Aliás quando a Portline entrou na linha da Madeira usando logo o navio Ro-Ro até fazia uns fretes mais baratos. Só se estavam a fazer dumping de mercado para cativar clientes inicialmente visto que era uma companhia nova que estava a entrar na linha. O que eu sei é que muito concessionário na altura e particulares em geral ficavam contentes por verem os seus carros transportados de maneira protegida sem levarem um banho de água salgada ou de sal pelo caminho e com menos riscos de danos no desembarque.

Ro-Ros da linha Canárias-Sevilha:

-ARMAS-

"Volcán de Teneguía" -
http://www.baixamar.com/files/02-1317405056581.jpg

-OPDR-

"OPDR Canárias" - http://www.shipphotos.es/fotos/Opdr%20Canarias%201.JPG


"OPDR Andalucia" -
http://cdn2.shipspotting.com/photos/middle/0/1/0/1137010.jpg

e uma foto do "Canárias Express" quando estava ainda com as cores da OPDR e que tem uma rampa lateral atrás tal como o "Cidade do Funchal" tinha:

http://www.spanishshipping.com/jmp3/CanariasExpressqt.jpg

Cumprimentos.

Manuel disse...

Amigo Victor, também me dizem que se trata de uma operação menos rentável,
Fui ver as capacidades do OPDR Canárias, e fico a pensar que se estiver carregado apenas com trailers terá uma menor capacidade do que um navio porta-contentores, talvez ai esteja a tal questão de ser mais caro.

http://www.opdr.com/fileadmin/user_upload/vessels/Pocketplan_ConRo.pdf

Contudo digo-lhe que fiquei um pouco confuso com o plano do navio , na OPDR diz 500 Teus/885 MLineares, reparando em 500 teus é essa a capacidade do RUBY, 885 ML para trailers pode não ser justificável comparando com um navio porta-contentores de igual dimensão, mas a verdade é que a OPDR os tem.

Seria também "engraçado" comparar o preço do frete de um TEU na OPRD e nos nossos Armadores.

Ainda sobre o "Cidade do Funchal", uma pequena pergunta este navio utilizava estiva? ou funcionava nos moldes da Armas no Funchal?
Abraço,
Manuel

Victor disse...

Manuel, lembro-me de ver esse "Cidade de Funchal" no terminal norte. Os contentores eram descarregados de cima do navio com as mesmas gruas utilizadas para os porta contentores e o terminal norte por acaso tinha excelentes gruas! Pela rampa lateral saiam as viaturas. Já não me lembro se havia uns tractores própios dentro do navio para trazer algum reboque ou semi-reboque para fora, se os tractores locais entravam lá dentro para ir busca-los, se as empilhadoras às vezes costumavam entrar dentro do navio para ir buscar alguma palete ou não etc. Sei que faziam fretes mais baratos. Ouvia falar nisso. Depois ficou tudo na mesma. Foi pena. Em relação àquela comparação com o Ruby, também é certo que o OPDR Canárias é de maior dimensão, deve consumir mais combustivel etc etc.

Não sei o preço dos fretes da OPDR como estão. No caso da Madeira teria de comparar linhas que não são feitas pelos armadores nacionais como seja de Felixtowe, Roterdão ou Hamburgo para o Caniçal e do Caniçal para as Canárias. O que sei é que há anos atrás o preço do frete de um contentor de 20 pés de Lisboa para o Funchal era mais do dobro do preço do frete do mesmo contentor mas de Lisboa para Las Palmas e isto utilizando o mesmo armador português! Isto já diz tudo!

P.S. - Acabei de encontrar uma pequena pérola no fundo do baú enquanto pesquisava pela OPDR. Data de Dezembro de 2005 e relata naquela altura factos curiosos sobre a OPDR e a cabotagem insular nos Açores. Vá ao link abaixo e faça scroll lentamente olhando sempre para os titulos de posts que estiverem em letras verdes até parar num que diz "Rude golpe no Governo".
Parece que a OPDR já pensou em escalar os Açores... mas certos "interesses" na altura sentiram-se incomodados. Deja Vu.
Aqui vai o tal link:

http://apenada.no.sapo.pt/index05.htm

Manuel disse...

Amigo Victor interessante artigo, já uma vez ouvi falar que a OPDR e a Maersk, teriam estado a ponderar aqui entrar com a compra da Boxlines. Como bem diz o artigo a questão prende-se com a protecção de ilhas pequenas como a minha para justificar o actual sistema. Eventualmente um sistema de distribuição inter-ilhas com um feeder resolve o problema ( serviço público), mas isto levaria a outra questão, uma redução da frota, e com concorrencia de fora não sei o que aconteceria.
A questão será avaliar qual a forma de baixar os fretes, pois como bem diz já ouvi tambem falar nessas diferenças de preço entre Continente-Açores e continente Canárias.
Pensando em tudo isto facilmente se percebe a história do Atlântida não poder tarnsportar carga, a desistência da Armas da Madeira, a história do "Cidade do Funchal" etc.
Pensando em tudo isto temos parte da história que impede os ferrys de transportar uma caixa de batatas e porque ainda não tenho ferrys a transportar carga rodada. tenho sempre a sensação que temos que assegurar vários negócios alguns até arcaicos, acho que um bom transporte marítimo não é ter 40 navios num mês, mas sim ter 30 mas eficientes.
Acho que existe algumas hipoteses para melhores trasnportes como um feeder inter-ilhas ( serviço publico) com escalas pelo menos semanais, ou um serviço ferry que eu defendo e estou a escrever um post, mas nesta conversa já encontrei mais um problema.
Um Abraço,
Manuel

Victor disse...

Manuel, repare que eu pus-me a pensar que se a OPDR tivesse um serviço que fizesse do Norte da Europa para os Açores e depois escalando a Madeira em direcção às Canárias isto fazia não só com que os Açores tivessem uma ligação directa desde o norte da Europa sem ter de baldear carga em Leixões ou Lisboa, como faria também terem outra alternativa à Transinsular na linha para a Madeira e assim colocar os seus produtos lá e também no mercado das Canárias seguindo sempre no navio da OPDR e aproveitando baldeação no HUB de Las Palmas para seguirem logo para os mercados de África e até América do sul. Abriria muitas perspectivas aos exportadores acorianos em mercados emergentes como Angola e Brasil aproveitando mesmo Cabo Verde. Las Palmas é um excelente HUB para a África e América do Sul seja pela MSC, Maersk, Safmarine, etc etc. É uma pena que os exportadores acorianos tenham sempre que depender das linhas para o Continente português. E que cacetada a Transinsular ia levar com a OPDR. Sim porque ela faz não só as linhas para os Açores como tem linhas do Norte da Europa para o continente português, Canárias e África (Cabo Verde, Gâmbia, Guinés e até Tânger que por acaso também é servido pela OPDR) ou seja acabam por transportar carga entre os Açores e esses destinos sempre com baldeação no continente.

O problema dos Açores nas ligações maritimas de carga é de alguma forma semelhante ao que existe nas ligações aéreas. A protecção às ilhas mais pequenas é realmente necessária mas às vezes poe-se a questão se não seria possivel conciliar a abragência e regularidade do serviço em toda a região com uma abertura maior de maneira que não se prejudique a evolução das ilhas no todo. Na Madeira tem-se no Porto Santo um serviço misto Ferry/Porta contentores e na Madeira existe o serviço da OPDR do norte da Europa para Canárias. Em 2005 podia-se ter iniciado nos Açores a construção de modelo/sistema parecido. Ficou a intenção.

Manuel disse...

Amigo Victor, tenho um post quase pronto que havemos de descutir o tal sistema porta-contentores/ferry, também sou adepto.
penso que PDl já teve uma ligação com o norte da europa, mas posso estar errado, para colocar carga dos Açores por exemplo nas Canárias pode-se fazer na Transinsular PDL-Caniçal e na OPDR Caniçal-Las Palmas, digo eu. Engraçado era desubrir o preço de Açores Madeira e Madeira canárias.
Nesta altura que escrevo estou a pensar se não deveriam as forças politicas ter um projecto a apresentar, afinal um arquipélago e a sua ligação com exterior está a base do seu desenvolvimento socio económico.

Algum tempo atrás falava-se que a Transinsular estaria em dificuldades, mas pelo que vejo começo a pensar que daqui uns dias não sei se não temos a Transinsular a engolir a Boxlines, estes ultimos que se descuidem e depois vão ver.
Esta negociata do Ponta do Sol, foi um tiro certeiro, e o filme ainda não acabou.
Á três viagens que não vejo os logos da Box por aqui, mais ainda à dias via fotos do S. Gabriel a ser desmantelado com os logos da Boxlines, embora não os devesse ter, pois já estaria fora de contrato, mas mais engraçado ainda o facto de o meu Ruby, ter aqui operado sempre com o logo da Briese, esta malta da Box não liga nada à sua imagem, não fiquem chateados o que aqui escrevi é verdade.
Um Abraço,
Manuel

Victor disse...

Manuel, lendo a última parte do seu comentário volto a reforçar a ideia: A "Anonymous Lines" será a companhia do futuro nestes estes anos de crise que se avizinham... ou essa ou a "All In One Lines" resultante da fusão/encerramento de uma data delas.
Cumprimentos... E que seja o que Deus quiser! :)