Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Dia de dupla, "Ruby" e "Express Santorini"

Hoje ao ver cruzarem-se  no porto da Graciosa o porta-contentores "Ruby" e o ferry "Express Santorini", lembrei-me do que havia escrito em anteriores posts, a começar por um dedicado ao Sr.Malcon Purcell Mclean,  o pai da contentorização, sem dúvida uma ideia genial,  que lhe valeu o titulo de "Homem do século “ atribuído pelo International Maritime Hall of Fame. Na minha humilde opinião este sistema  não pode ser posto em causa, muito menos, alguém ter a ideia "genial"  que a evolução dos transportes marítimos nos Açores, deve ser em sentido contrario ao efectuado pelo Sr. Malcon Mclean e o resto do mundo.
Outro post que me passou pela memória foi o do "Serviço ferry nos Açores e Madeira", após tantos anos ainda não vi a classe política açoriana defender uma evolução deste serviço no sentido de este ter mais influência no desenvolvimento dos Açores, criando entre ilhas uma verdadeira "Ponte". À quem pense que nesta altura o importante é as rampas, e até pode ser, mas nesta altura para mim o mais importante era definir qual a politica a adoptar para o futuro, será que: Podemos ter operações  ferrys anuais?  Podemos incluir  carga rodada? Vamos continuar apenas com uma operação sanzonal? Optamos por navio(s) próprios ou afretados? Qual o tipo de navio ideal para essa operação? bem sei que foi efectuado um estudo pela BTM, mas não acredito que um HSC, seja um navio adequado para uma operação anual. Em relação a estas perguntas até pode alguém ter as respostas, mas a verdade é que gostava de saber o que realmente pensam os nossos políticos ( nunca saberei).
Lembro que o sistema na ligação Madeira-Porto Santo, passa pela utilização de um ferry e também um porta-contentores, algo que na minha opinião se poderia adoptar nos Açores.
(©) Copyright fotos: MM Bettencourt, Graciosa.

8 comentários:

João Bettencourt Mendonça disse...

Amigo Manuel

Após esta dissertação que acabaste de lançar sobre transporte marítimo de carga e passageiros, quase me apetece dizer que o Governo dos Açores tinha ganho uns valentes milhões se não tivesse encomendado aquele “dáparatudo” estudo feito pela BTM e concretizasse na prática as tuas ideias.

A roda já foi inventada. Portanto basta pô-la a andar. A diferença é que os lobbys foram inventados depois da roda!!!

Além disso, não nos podemos esquecer que já tivemos o N/M Ponta Delgada e o N/M Vitorino Nemésio a funcionar nos Açores o ano inteiro. Avalie-se e adapte-se o que tiver de ser adaptado e complemente-se o modelo com os exemplos de outros arquipélagos.

Um abraço.
João Mendonça

Manuel disse...

Boas Amigo João, de facto a roda já foi inventada por outros arquipélagos, eu não inventei nada aquilo que refiro no post apenas copiei e o que se faz noutras ilhas, como dizes teria que haver adaptação, mas não seria impossivel, seria um sonho termos uma Ponte que liga-se todas as ilhas dos Açores, mas tu dizes ainda melhor que os lobbys foram inventados muito depois da roda, por isso acho que vamos ccontinuar com "rodas" quadradas.
Um Abraço,
Manuel

Anónimo disse...

Acho que a solução ideal seria mesmo um ferry diario e um porta contentores semanal ou quinzenal, o tipo de ferry teria que ser e atendendo as dificeis condiçoes de mar no inverno, principalmente, um navio do tipo Santorini Express, talvez uma versão mais recente. Sou de Porto santo, e tambem aqui as condiçoes de mar saõ duras no inverno, pelo que tammbem aqui a solução é esta e esta bem. Cumprimentos
elvio

Manuel disse...

Obrigado Elvio, pelo teu importante comentário, que pelo facto de viveres em Porto Santo ainda mais valor têm. Penso que um porta-contentores um ferry, e um navio tanque seriam sufecientes para assegurar o transporte marítimo de passageiros e carga, obviamente com os necessarios ajustes á realidade açoriana, mas assim teriamos um economia mais dinâmica e maior intercambio social, com todas as vantagens associadas.
Cumprimentos e volta sempre
Manuel

Anónimo disse...

A solução para a Graciosa seria sem dúvida uma solução mista ferry/porta-contentores como a que foi adoptada para o Porto Santo, incluindo um ferry com capacidade para carga rodada. Tenho uma pequena dúvida: No Porto Santo existe há muitos anos um terminal cimenteiro dentro do porto, com duques d´álba, visivel neste post deste mesmo blog: http://oportodagraciosa.blogspot.com/2009/08/ponta-de-sao-lourenco-no-porto-santo.html
à semelhança do que acontece na Praia da Vitória. Gostaria de saber na Graciosa como se faz o transporte de cimento em grandes quantidades.

Manuel disse...

Caro Visitante Obrigado pelo comentário, em relação ao cimento este vem nos navios dos TMG, em paletes ou em big bags.
Este meu post dá uma pequena ajuda na explicação e tem algumas fotos. http://oportodagraciosa.blogspot.com/2011/02/logistica-da-distribuicao-do-cimento-no.html

Cumprimentos e volte sempre
Manuel

Anónimo disse...

Caro Manuel, obrigado pela resposta. O post que refere é esclarecedor.

Manuel disse...

De nada eu é que agradêço a sua participação neste blog.
Cumprimentos e volte sempre
Manuel