Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

sábado, 10 de outubro de 2015

Cais de cruzeiros da ilha Terceira

© Copyright gráficos e texto: Cte Rui Carvalho, Terceira.

Por várias ocasiões, e utilizando a fantástica ferramenta de promoção de tudo a que à temática marítimo-portuária diz respeito, que é este pro-activo Blog da Graciosa, temos apresentado propostas que pretendem ser um subsídio ao desenvolvimento da pouco aproveitada infraestrutura do porto da Praia da Vitória (ver aqui). No enorme leque de potencialidades que estão por desenvolver, destacamos o desenvolvimento prioritário de duas valências, uma com urgência e outra em desenvolvimento, a saber, o Cais de Cruzeiros da Ilha Terceira e o projecto COSTA (Gás Natural Liquefeito). O recente aumento na procura por parte de alguns operadores internacionais de navios de cruzeiro da Ilha Terceira como destino, criou grande pressão sobre a capacidade do porto, que embora esteja longe de estar esgotada não está vocacionada para este nicho de operações em particular. Lembremos que o nosso porto é "Multi-purpose", ou seja, não tem um cais dedicado apenas a contentores, ou granel, ou combustíveis, ou passageiros, ou carga geral, etc. Como a solução mais óbvia, que era transformar o cais P.O.L. para receber este tipo de navios, parece estar totalmente posta em causa pelas Forças Armadas Portuguesas e Americanas, isso desafia-nos para outra solução tão ou mais válida, que é a que aqui apresentamos. Esta solução apresenta várias vantagens evidentes, como seja, a facilidade e rapidez na construção, solução incomparavelmente menos onerosa ao erário público, criação de dois berços de amarração em vez de apenas um como seria o caso do P.O.L. ou do projecto megalómano de Angra do Heroísmo, possibilidade de receber os maiores paquetes da actualidade, baixo impacto ambiental, utilização de áreas desaproveitadas em termos portuários, valorização da orla marítima da baía da Praia da Vitória, integração em projectos camarários em desenvolvimento, potencialidade na criação de uma miríade de oportunidade de negócios e actividades relacionadas aos cruzeiros, criação de emprego directa e indirectamente com impacto  na debilitada economia da Ilha Terceira, sendo estes alguns entre muitos outros. Esta solução necessita também da iniciativa privada, pois só os valorosos empreendedores têm a capacidade de, através  da sua resiliência e "expertise", desenvolver este negócio de valor acrescentado. É ao que temos assistido noutras paragens, o estado cria e os privados desenvolvem valor, e é assim de deve ser. Esperamos pois por um empurrão que nos tire deste marasmo, empurrão que bem merecemos, a Ilha Terceira e os Açores. As marcações de paquetes para 2016 e 2017 já feitas deixa-nos muito apreensivos sobre a capacidade de resposta aos "monstros" que aí vem, se nada for feito. Este é já um jogo para meninos grandes, a incompetência e a falta de resposta paga-se bem caro, eles vão embora e o turismo de cruzeiros na Ilha Terceira morre, sem apelo nem agravo. As boas notícias correm depressa e as más mais ainda. Temos dito.




12 comentários:

Artur Filipe disse...

Muito interessante e com uma boa visão, parabéns Manuel
Um abraço deste a Madeira :)

Manuel Bettencourt disse...

Boas amigo Artur,

A visão não é minha, é do meu amigo Rui Carvalho!

Um abraço para a Madeira desde os Açores
Manuel

Direcção ACC disse...

Caro Manuel Bettencourt, interessante artigo sobre o porto da Praia da Vitória. Pelo que pude consultar sobre a infraestrutura do porto da P Vitória acho que o prolongamento do cais conforme esta na planta com o nº 3 traria mais vantagens porque permitiria construir naquele terraplano um terminal de cruzeiros funcional, pois espaço é o que não faltaria.
A solução que é aqui apresentada penso que não deverá estar na dimensão correcta pois um pontão com 350 metros será muito maior do que o que está lá desenhado.
De qualquer maneira é uma obra que deve ser devidamente pensada pois um segundo porto com capacidade para receber navios até 320 metros faria com que muitos operadores olhassem para os Açores de outra maneira porque vir aos Açores e fazer 2 ou mais escalas é muito mais atractivo do que fazer somente uma.
Cumprimentos
A. SIlva

Manuel Bettencourt disse...

Bom dia, Sr. A. Silva,

O desenho é meramente exemplificativo, a intenção era perceber a localização da ideia proposta.

Cumprimentos
Manuel

Rui Carvalho disse...

Caro MMCB

Julgo que o cais -12 do porto estará reservado para ampliação do Gás Natural.
O pontão desenhado tem mesmo 350 metros, basta comparar com o cais -12 (o maior) que tem 350 metros de comprimento.
Além disso o problema é misturar contentores, graneis e outros produtos fedorentos com os passageiros, sem falar na questão da segurança.
Quando se recebe um navio com mais de 200 metros o cais fica todo ocupado, criando problemas de ocupação e atraso nas operações de outros navios, nomeadamente contentores.

Abraço

ErrE

Manuel Bettencourt disse...

Caro amigo ErrE,

Totalmente de acordo!

Abraço
Manuel

ML disse...

Interessante visão e solução para a Cidade da Praia da Vitória, para a Ilha Terceira, para os Açores e Açorianos! Vir aos Açores e fazer duas ou mais escalas é muito mais atractivo do que fazer somente uma. Sem sobra de duvidas que um segundo porto com capacidade para receber navios até 320 metros faria com que muitos operadores olhassem para os Açores de outra maneira, tal como é realizado noutras zonas (Caraíbas, Ilhas Gregas, Canárias, etc.)!
Os nºs estatísticos estão à vista e merecem a devida atenção de todos! Se a solução do cais de Angra está afastada (e ainda bem) a solução de ter no Porto Comercial Cruzeiros também não é a melhor pelas razões já apontadas anteriormente.

Abraço
ML

Carlos Lemos disse...

Sou terceirense de alma e coração, mas como isto é na ilha Terceira o Governo Regional não está disposto a construir,(é o que se tem visto com este último governo regional), e ainda contando com a preciosa ajuda dos "Velhos da Terceira" que são centenas de vezes piores que os "Velhos do Restelo", então aí nada feito.

antonio sáez disse...

Aprovechar convenientemente la bahía actual de Praia, es una solución mucho más inteligente que la que supone arruinar el magnífico entorno y bahía secular de Angra.
Saludos especiales a los dos "puntales" marítimos azorianos, los buenos amigos Rui y Manuel.

Manuel Bettencourt disse...

Querido amigo António,

Um fuerte saludo para Tenerife, não se esqueça que tem de vir à Graciosa em Agosto 2016 !

Manolo

Manuel Bettencourt disse...

Carlos Lemos,

No meu entendimento, o investimento portuário deve ser centrado no porto da Praia da Vitória, quanto mais este porto tiver para oferecer melhor para a ilha Terceira e para os Açores.

Cumprimentos
Manuel

Carlos Lemos disse...

Caro Manuel Bettencourt estou 100% de acordo consigo.
Cumprimentos,
C. Lemos