Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Um quarteto no Porto da Praia da Vitória

Estas fotos são referentes ao dia 3 de Agosto do corrente ano, dia em que o porto da Praia da Vitória registava uma boa taxa de utilização, restando livre o terminal cimenteiro e o P.O.L., não incluindo aqui o terminal concessionado aos TMG.
Já aqui referimos que o porto da Praia da Vitória têm excelentes condições para de forma inteligente poder evoluir e crescer, tirando partido da mais valia logística da presença na proximidade do aeroporto das Lajes.
(©) Copyrights fotos: Cmdte. Guilherme Bettencourt, Praia da Vitória.

12 comentários:

Marcelo Sousa disse...

Tenho uma noticia para publicar no blog. O Expresso do Triângulo voltou a avariar enquanto realizava a viagem a Calheta. Se quiser mais informações vá ao blog «Porto da Madalena».

Marcelo Sousa

Manuel disse...

Boas Marcelo, Obrigado pela info, esses navios não dão descanso.
Abraço,
Manuel

Elvio disse...

Deu para matar saudadedes do Madeirense 3, muitos contentores movimentei nas descargas de excelente navio. Pelo que vejo tem aí um cais com muito espaço, ao contrario de cá que apenas tem 16 metros de largura, mal dá para manobrar. Mas enfim. Que fazer.
Abraço
elvio

Manuel disse...

Boas Elvio, a Praia da Vitória nesse aspecto será o porto com maior espaço para movimentar contentores, o porto da graciosa também tinha apenas 20 metros de largura mas felizemente com as obras ficou com mais espaço tendo melhorado muito nesse aspecto.
Faz-me confusão que alguem pense em fazer portos com apenas 20 metros de largura, quando pensam movimentar contentores, como bem dizes manobrar contentores de 12 metros em 16 de largura, não é o ideal, mas lá tem que ser
Abraço,
Manuel

BERMAXO disse...

Siguiendo encantado las publicaciones de este blog amigo saludos

Manuel disse...

Boas Bermaxo, tenho bons Amigos em diversas ilhas e não só.
Saludos
Manuel

Marcelo Sousa disse...

O MADEIRENSE 3 SAIU DAÍ EM DIRECÇÃO HÁ HORTA.


MARCELO SOUSA

Gonzo Brás disse...

Atenção que o porto do Porto Santo tem o lado terra que tem muito espaço, e onde hoje em dia varam iates, serve de parque de contentores, existem alguns armazens etc. O espaço de um porto não é só o dos molhes onde atracam os navios directamente. Atenção a isso. Aliás quando o porto foi construido o espaço era tanto desse lado que nem sabiam como o ocupar, chegando a ser usado por uma pista de karting, e ainda hoje vejo nas fotos de satelite do google images vestigios de campos de basket desenhados. Mais tarde foi construida uma pista de karting nova a leste do porto, por detrás de uma zona de bares e restaurantes conhecida como "Penedo do sono".

Manuel disse...

Boas, Gonzo Brás, Obrigado pelo comentário,eu estava a referi apenas ao espaço onde o navio descarrega os contentores, pois para manobrar os empilhadores nessa zona é mais dificil por falta de espaço, o meu porto também já teve 20 metros de largura o que para movimentar certas cargas e cont de 40´ por vezes é dificil.
Um ABraço,
Manuel

Gonzo Brás disse...

Manuel, compreendo. Penso que o terminal norte do Porto do Caniçal será o que tem mais hectares para a operação e armazenamento de contentores. Não sou engenheiro mas nunca concordei muito com o formato do molhe sul do porto da Praia da Vitória porque ao terem feito um molhe exterior curvo, comprime e retira espaço à zona de contentores obrigando-a a ter um formato irregular. Caso um dia se queira prolongar a zona de atraque vai obrigar novamente a zona de contentores a "afunilar" como no inicio da mesma, embora menos acentuadamente. Um segredo para ter "mais espaço" de manobra seja em que porto fôr, é desencoragar ao máximo a permanência de contentores vazios ou cheios nos parques portuários, e obriga-los a estarem parqueados sempre que possivel em parques própios "longe do porto", como fazem na Madeira. No Funchal conheço pelo menos um parque de contentores. Não sei nos Açores como fazem. Na Madeira houve necessidade de cria-los ainda no tempo em que se usava o Porto do Funchal como porto para carga contentorizada, porque a situação de falta de espaço e congestionamento tornava-se insuportável e dificultava a operação no mesmo, quer no molhe da pontinha, quer no terminal norte.

Manuel disse...

Boas Gonzo, pelo que sei em PDL existe parques de contentores no exterior do porto, nomeadamente a Boxlines que sei onde fica, penso que o mesmo acontecça com os outros.
Quanto à PVT, existe alguns parques nomeadamente de transitarios, embora desconheça se alguma empresa de navegação os tem, mas penso que não.
Sabes que nesta questão de portos não precisamos de ser engenheiros para ter uma opinião, eu por exemplo penso que aquela solução de criar caís de contentores na zona de terra onde a contrução de terraplenos são mais baratos, seria a ideal, sendo que o molhe exterior ficaria mais estreito e dedicado a ferrys e cruzeiros, para melhor explicar a minha ideia tomo como exemplo o Caniçal, se reparares a PVT é precisamente o contrario e não só.
Pensando em espaço, olha para o o PDL, que futuro espera aquele porto, penso que terá que haver obras num futuro próximo, nunca falei com ninguem de PDL nisso, mas é a ideia que tenho.
Um Abraço,
Manuel

Gonzo Brás disse...

Em PDL o aumento do porto passará pelo prolongamento do molhe comercial penso eu... Na ponta final do molhe em zona de enrocamento noto que há já uma deflexão para fora, ou seja, a continuação lógica seria aumentar a zona de atraque ao longo desse enrocamento, e depois mais tarde prolongar todo o molhe na mesma linha. O pior é que depois já estamos a falar de fundos a uma cota considerável penso eu, e aí já implica custos bastante elevados. No fundo o mesmo problema que existe no Funchal para quem defende o prolongamento do molhe da pontinha. Optou-se por construir com "caracter de urgência" um novo terminal para cruzeiros a norte, aproveitando um aterro feito com inertes do temporal de 20 de Fevereiro de 2010, sem estar garantida a necessária protecção dos mares de sul/sudoeste no inverno, que obrigaria a um prolongamento do molhe comercial a sul. O caso do Funchal ainda vai dar muito que falar, mas as pressões de vários quadrantes eram muitas devido ao facto de estarem há anos a recusar escalas por falta de espaço. O resultado é que vão ficar com um cais a norte parcialmente desprotegido, que só vai poder ser utilizado em certas alturas do ano dependendo das condições de mar. Em relação a PDL, segundo li algures, alguns defendem a criação de um "novo porto" dedicado a cimenteiros, navios tanque ou de transporte de cereais e que seria localizado mais para leste. Talvez um pouco semelhante ao que fizeram em Santa Cruz de Tenerife. Intenções neste país há muitas. Dinheiro é que não há.