Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

segunda-feira, 28 de maio de 2012

A "ponte" entre Agaete e Santa Cruz de Tenerife

Porto de Las Nieves, Agaete ilha Gran Canária



O Porto de Las Nieves, em Agaete, ilha de Gran Canária, possui uma ligação efectuada pela Fred Olsen com o porto de Santa Cruz de Tenerife, aqui tal como em outros portos Canários, os ferrys transformam o mar que separa as ilhas em "pontes" que as unem, aliás o desenho da Fred Olsen Canárias, dispensa as palavras, e exemplifíca na perfeição a minha visão sobre os ferrys. 
Habitualmente estamos habituados a ver os HSC da Fred Olsen, partir do porto de Santa Cruz de Tenerife, com destino a Agaete, hoje publicamos algumas fotos do Amigo David Rivero, do porto de las Nieves. Ao ver estas fotos, observo com atenção coisas tão interessantes, e fico a pensar, que complicamos coisas tão simples.
Será assim tão difícil perceber a valia dos ferrys? Claro que não,  o problema é o medo de este serviço evoluir e tornar-se um pilar do desenvolvimento sócio-económico dos açores, isso levaria a muitas alterações, e é isso que se tenta combater. A actual crise que assola a nossa região e País, devia servir  para reflectirmos, sobre o passado (destruíram o transporte marítimo de passageiros), o presente (brincamos aos ferrys), e o futuro, que para os políticos deve ser uma mistura de passado e presente. 
Se nos Açores as rampas não serão para serem utilizadas sem limitações, se o serviço ferry continuar  a ser apenas sazonal, como vamos nós criar um mercado interno? Sem "estradas", alguém acredita nisso? Ou será genialmente com "estradas" de terra batida, caras e sem ligações convenientes? 

(©) Copyright fotos:David Perez Rivero, Gran Canária.
(©) Copyright fotos: António Saez, Tenerife.
Vídeo: António Saez, Tenerife.
Fred Olsen 
Porto de Santa Cruz de Tenerife






9 comentários:

Elvio Leão disse...

Boas Manuel
Esta é no meu entender a melhor opção para esbater o isolamento da ilhas. Já fiz este percurso e acho notável o que se fez no porto da Las Nieves Agaete, para operar com os HSC da Fred Olsen, sabendo este operador que saindo de Las Palmas iria ter uma duração da viagem em cerca de mais 30 a 40 minutos, e assim encurtou-se o trajecto criando condições em Agaete. Os interesses instalados e o desinteresse dos nossos governantes em não permite que se use as valias todas dos ferries. Os Açores estão muito aquém do desejavel e não vejo com bons olhos o futuro dos ferries.
Enfim esperemos que se mudem as mentalidades o que infelizmente é o mais custa a mudar.
Abraço
Elvio

Manuel disse...

Boas Amigo Elvio, eu gostava de fazer este percurso, quem sabe se um dia não o farei.
Penso que a população dos açores, percebe a valia dos ferrys, o problema é que os partidos estão lá para servir certos interesses, vai ser muito difícil ter um serviço ferry nestes moldes.
Um Abraço,
Manuel

Anónimo disse...

Isso dos Ferrys é muito subjectivo... Não seria melhor toda a população dos Açores se mudar para S. Miguel?

Lá existem os grandes centros comerciais, as grandes lojas internacionais, auto-estradas de fazer inveja ao continente por serem boas e gratuitas, um hospital central e uma universidade ao nível do melhor que há em Portugal, um cais de cruzeiros a crescer imenso ao ano e têm uma das mais elevadas densidades populacionais a nível nacional.

O paraíso está tão perto :)

Manuel disse...

Caro Visitante, Obrigado pelo comentário. Subjectivo é o conceito de Paraíso.
Por falar nessa scut, diria que 10% do valor da mesma dava para construir uma "scut" (ferry) que assegura-se uma estrada inter-ilhas.
Cumprimentos
Manuel

FranciscoM disse...

Caro Manuel, respeito aquilo que aqui trouxe e também defendo melhores transportes nos Açores, contudo as Canárias não são o melhor exemplo. Para além das enormes dificuldades por que passa a Fred Olsen,o desemprego atinge 362.000 mil pessoas, quase 33% da população. http://www.canariasactual.com/2012/04/27/362-300-personas-desempleados-en-canarias/

Manuel disse...

Caro FranciscoM, obrigado pelo comentário. Devia ter escrito que não defendo HSC para os nossos mares, muito menos numa operação anual, por isso defendo apenas o conceito de "ponte".
Bem sei que a Fred Olsen tem os HSC à venda, e que existe desemprego, mas para mim os ferrys são pilares fundamentais para o desenvolvimento das ilhas.
Cumprimentos
Manuel

Anónimo disse...

Manuel, as Scuts de S. Miguel têm um tráfego diário superior a 40.000 viaturas. Acho que foi um bom investimento. Podiam era ter sido feitas de outra forma e nisso concordo.

Mas comparando as Scuts com os ferrys, tem que admitir que dificilmente iriam ser transportadas 40.000 pessoas por dia.

Manuel disse...

Caro Visitante, obrigado pelo comentário.
Desculpe-me, quer dizer que pelas suas contas, a restantes ilhas não merecem qualquer investimento, mesmo que ele seja 10% (equivalente a 4000 passageiros incluindo carga) do que custou essa scut? Quem disse que um serviço de ferry tem que ter ligações todos os dias? Já vi que não gosta de ferrys, mas eu acredito que esse serviço aplicado aos açores numa operação anual poderia potencializar o desenvolvimento sócio-económico da região.
Já pensou em efectuar um pequeno exercício, simples:
Imagine uma ilha (por exemplo a minha), tente agora colocar uma mera palete com hortícolas nas ilhas mais próximas(apenas grupo central), depois diga-me a que distância em horas estou dessas ilhas? Acha que o actual sistema serve a economia da região?
Ou pensamos em algo diferente, ou então fazemos aquilo que parece defender "desertificamos as pequenas ilhas". Atenção não tire conclusões precipitadas, não sou dono da razão, mas tenho a minha opinião, certamente existe outras opções em termos de modelo de transporte, nesta altura acho que deve-se discutir esse modelo que eventualmente os políticos querem implementar. Não vale a pena dizer mal dos transportes, temos que ser construtivos e apontar soluções, aquilo que por vezes aqui refiro, não é nada de especial, apenas um mero copianço do que foi acontecendo nos arquipélagos vizinhos.
Cumprimentos
Manuel

antonio sáez disse...

Comentarle al amigo FranciscoM que si bien el paro en Canarias es muy elevado no llega al 33% de la población ( que son DOS millones) siendo el 16% respecto al total de población, lo cual es una cifra muy alta.