Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

quarta-feira, 10 de junho de 2015

"Hellenic Wind", embate em objecto e obriga a Atlânticoline a redefinir a operação

© Copyright foto: MM Bettencourt, Graciosa (Arquivo).
Ontem a Atlânticoline, anunciava a paragem do ferry, "Express Santorini", devido a uma avaria, e 
redefinia os horários, tendo para tal recorrido ao fast ferry, "Hellenic Wind". Hoje sensivelmente a meio da viagem do porto da Praia da Vitória para o porto da Graciosa, o navio terá embatido num objecto, provavelmente um cachalote,  e danificado o estabilizador da proa, o que de acordo com as declarações do presidente da Atlânticoline à RTP-Açores, irá originar a ida do navio para Lisboa para posterior reparação. 
Tal facto irá  certamente originar uma redefinição das rotações e dos horários do ferry, "Express Santorini". 
© Copyright foto: Miguel Nóia, Faial

3 comentários:

Anónimo disse...

O Santorini não admira, porque está estafadissimo com 41 anos de uso intensivo. Muito têm aguentado aqueles motores Pielstick desde os tempos do ferry Chartres do cá e lá no canal da mancha. Azar com o fast-ferry Hellenic . Agora , os comentarios da jornalista (??) da RTP Açores sobre a segurança, o nao ter sonar para detetar objetos submersos, baleias,etc, se calhar sereias ..foram anedóticos.

CAP CRÉUS disse...

Grande treta pá.
Azares ou karma?
Bom resto de semana!

Macedo disse...

Manuel, pensei que todos os navios dignos desse nome hoje em dia tinham um sistema que permite detetar objetos submersos, como por exemplo contentores etc. E se tivesse sido um contentor à deriva em vez de um cachalote?