Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

domingo, 29 de maio de 2016

Navio de cruzeiros, "Bremen", na ilha das Flores






© Copyright fotos: Tito Nóia, Flores.
Pesquisa de dados técnicos: Paul Peixoto, Boston, EUA.
 Registo fotográfico da autoria do amigo, Tito Nóia, relativo à passagem ontem pela ilha das Flores do navio de cruzeiros, "Bremen", da operadora alemã,  Hapag-Lloyd Expedition Cruises. O navio efectua este ano um cruzeiro pelas ilhas açorianas, à semelhança do que tem acontecido em anos anteriores.

Nome: BREMEN.
Tipo: Passageiros/Cruzeiro.
IMO: 8907424.
Indicativo: C6JC3.
MMSI: 308429000.
Bandeira: Bahamas.
Porto de Registo: Nassau.
Numero Oficial: 716244.
Donos: Hapag Lloyd AG- Hamburgo, Alemanha.
Operadores: Hapag-Lloyd Kreuzfahrten- Hamburgo, Alemanha.
Classe: Germanischer Lloyd.
Ano de Construção: 1990.
Data de Entrega: 29/10/1990.
Estaleiro: Kobe Heavy Industries Ltd.- Kobe, Japão. Casco#1182.
Comprimento Fora a Fora: 111,51 metros.
Comprimento entre Perpendiculares: 98,00 metros.
Boca Máxima: 17,25 metros.
Pontal: 11,90 metros.
Calado: 4,55 metros.
Deslocamento: 5,101 toneladas.
Arqueação Bruta: 6,752 toneladas.
Arqueação Liquida: 2,073 toneladas.
Porte Bruto: 1,226 toneladas.
Numero de Convés: 7. Numero de Cabines: 82. Numero de Camas: 164. Numero de Tripulantes: 94.  
Potencia de Maquinas Principais: 4,854 kW (6,600 hp), 720,00 rpm. 2 hélices CP, 156,00 rpm.
Velocidade de Serviço: 16,00 nos.
Velocidade Máxima: 17,50 nos.
Potencia de Geradores Auxiliares: 2,500 kW.
Potencia de Thruster: 382,00 kw (519,00 bhp).
Nomes Anterior: Frontier Spirit (07/1990-09/1993).



2 comentários:

CAP CRÉUS disse...

Os Açores deviam receber mais Navios deste porte, em vez dos maiores.
Receber mais navios de enorme porte e com uma quantidade abismal de passageiros é sinónimo de mais € (tenho algumas reservas), mas também sinónimo de mais sujidade e menos sustentabilidade.

Manuel Bettencourt disse...

Boas amigo,

Compreendo e concordo!
Abraço
Manuel