Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

terça-feira, 30 de novembro de 2010

As semelhanças entre o projecto da Canadamar e as recomendações da BTM

Recentemente, a Atlântico Line, iniciou a divulgação pública do estudo por si encomendado à BTM Transport and Solutions, relativo ao transporte marítimo nos Açores,  curiosamente esse estudo indica que a melhor opção é a aquisição de navios próprios do tipo HSC.
Pois bem, estas recomendações da BTM, feitas à Atlântico Line, fez-me lembrar  o projecto da empresa Canadamar, apresentado à poucos anos ao Governo Açoriano, comunicação social e público em geral, pelo Sr João Amaral, um emigrante açoriano residente no Canadá, que já havia tido negócios na área do transporte marítimo nos Açores, com o iate "Santo Amaro", e mais tarde com o navio, "Ilha de S. Jorge".
Parece-me que a BTM  sem querer deu  razão ao Sr. João Amaral e à Canadamar, pois esta pretendia assegurar o transporte marítimo de passageiros e viaturas inter-ilhas com navios HSC do tipo catamaran, aliás estas imagens aqui públicadas, foram retiradas do ficheiro de apresentação desse projecto, que incluia um catamaran de 55 metros e outro de 73 mts, devo aqui referir que também existe um ficheiro ( que não tenho) que inclui um navio HSC do tipo monocasco,  que surge nesse ficheiro com as cores da Baleária.
Estas imagens são do catamaran, "Isle of Man", actual navio da frota da Steam Packet Company, com o nome de "Snaefell", este navio têm um comprimento de 73,86 mts, uma boca de 26 mts, um calado de 3, 10 mts, e atinge uma velocidade máxima de 34 nós, quanto à sua capacidade de transporte é de 431, passageiros  e aproximadamente 85 viaturas em 420 metros lineares de carga, digamos que este navio está muito perto do perfil  recomendado pela BTM, uma vez que esta considera que um dos navios devia ter uma capacidade de 500 passageiros e 50 viaturas.
(©) Copyrights imagens: Ficheiro Canadamar/ João Amaral.

8 comentários:

amg disse...

ó manel, francamente...
dar relevo a disparate destes...
sinceramente!

assim não se vai a lado nenhum...

querem criar outro TGV aí?

Manuel disse...

Amigo António, seja bem aparecido.
Eu não acho que HSC sejam adequados aos mares dos Açores, muito pelo contrario, só achei curioso que este estudo da BTM tenha recomendado os HSC e que álguns anos atrás este empresario tenha feito também uma proposta nesse sentido. Se fôr ao site da Atlanticoline pode ler o estudo completo.
A minha intenção foi apenas dar a conhecer as semelhanças entre a Canadamar e o estudo da BTM.
Abraço e volte sempre,
Manuel

Anónimo disse...

Ola, Em Junho de 2005 estava a passar uma semana de férias na lindíssima ilha da Graciosa e num dia que estava a almoçar naquele restaurante à saída do porto da Praia, assisti no telejornal uma noticia do Sr. César que em 2008 teríamos 5 Navios novos nos Açores. Claro que não acreditei, mas a ideia é muito boa, porque todos nós sabemos que os Açores tem necessidade de um transporte marítimo de passageiros, viaturas e carga rolada em condições para que o Arquipélago de desenvolva a nível comercial e turístico. Infelizmente o nosso Governo depois de tantos anos de experiências ainda não sabe o que fazer e como fazer. Basta ver os bons exemplos dos Arquipélagos vizinhos e adaptar um modelo para os Açores.
Quanto aos HSC, continuo a afirmar que são uma boa opção para os Açores. Á uns anos assisti a um documentário sobre a construção de um catamaran para a florida idêntico ao das Canárias e num momento do documentário falaram sobre a segurança e conforto dos passageiros, o mesmo com ventos bastante fortes e ondas com mais de 4 metros não deixava de continuar as suas viagens com segurança e conforto. Nós sabemos que nos Açores o mar tem ondulações fortes, mas acredito que no norte da Europa onde tem muitos Barcos deste tipo o mar não deve ser muito diferente. Isto é apenas uma opinião de um de um Açoriano que gosta de viajar com a família de barco levando sempre o carro por estas Ilhas magnificas.

Cumprimentos
Jorge, Terceira.

Manuel disse...

Caro Jorge, Obrigado pela sua visita e comentário, também me dá a sensação que não sabemos para onde vamos, uma vez afretamos navios depois fazemos novos do tipo convencional, depois fazemos estudos e afinal é os HSc que são aconselhaveis, enfim algo me diz que ainda não vamos ficar por aqui.

Quanto ao HSC, eu gosto especialmente do design, e até á algum tempo atrás também achava que seria um tipo de navio bom para o nossos mares, mas enquanto pensava isto fui levando na cabeça de alguns amigos que têem outra opinião mas ao contrário de mim baseada em conhecimentos, hoje digo que queria um ferry com velocidade acima dos 20 nós, mas do tipo convencional, isto por uma série de factores mas principalmente devido ao consumo e á rentabilização.
Também ás vezes me pergunto ( já fiz alguns posts) porque não adaptamos o sitema da Madeira ou Canárias, mas acho que para isso acontecer iria-se tocar em alguns interesses e ai está o problema.
Quanto ao estudo da BTM, não gosto, acho-o muito limitativo para a minha ilha.
Cumprimentos e volte sempre,
Manuel

amg disse...

Caro Manuel, obrigado pelas suas palavras, mas este tipo de notícias e este tipo de "consultadorias lobistas" deixam-me passado.
Querem fazer de vocês parvos, é o que é.
A roda está inventada à muito tempo, e num país (e região) de fracos recursos não vamos fazer o favor aos outros de lhes fazer os seus negócios.
Sem ir mais longe veja-se os casos da Armas nas Canárias e mesmo a Noruega/Dinamarca... Vão lá procurar trimarans... e encontram um nas Canárias. Já agora, porque não trimarans para as ligações Pico-Faial?... Mas façam a primeira viagem de inverno e coloquem lá estes "consultores"...

Finalmente, e entrando no caso mais concreto açoreano: porque não em vez de UM navio todo "xtpo", de duvidosa aplicabilidade, DOIS "normalzinhos", para dar efectiva rotatividade no transporte inter-ilhas REAL (leia-se S.Jorge/Graciosa/Pico/Flores incluído) sem necessidade de grandes custos de adaptação nos portos, protegendo deste modo as naturais paragens dos navios para manutenções?
E já agora, com boa automação de modo a terem uma guarnição reduzida, pensando assim numa contenção de custos de exploração.
Alguém pensa nisto?

Manuel disse...

Caro António, vou-lhe contar uma pequena história: No inicio do blog publiquei um post que incluia um pequeno vídeo do youtube de uma manobra de um catamaran da Fred Olsen em St Cruz de Tenerife, o titulo era "Sonhar não faz mal", pois bem após publicar esse post recebi um mail do Sr. A. Sáez, de Tenerife ( acabaria por se tornar um bom amigo e editor), chamando-me à atenção para o facto de achar que este não ser um tipo de navio indicado para os Açores. Contudo eu sem conhecimentos nesta matéria estava apenas interessado nas imagens bonitas dos HSC. Quando veio para os Açores o Hellenic Wind, é claro que gostei do navio, mas nunca ouvi ninguem ( com conhecimentos e formação na área) dizer que era um tipo de navio adequado aos nossos mares.
Estes nossos amigos da BTM dizem que recomendam HSC, mas tenho uma grande dúvida, que é: quem defeniu a velocidade dos navios? será que o estudo foi realizado com a imposição de os navios serem assim tão velozes?
Repare que no estudo até colocam a hipótese de não ir navio ás Flores ( para poupar), mas em vez de optarem por navios mais economicos escolhem navios de elevado consumo e para serem rentaveis necessitam segundo me dizem de elevada taxa de ocupação, há aqui qualquer coisa que não bate certo, por um lado poupa-se por outro lado gasta-se.
Um Abraço,
Manuel

simão bessa disse...

Amigo,vamos a ver se este projeto faz-se luz.Acho que seria melhor continuar com a ideia dos RORO e os Açores deixarem de ter uma opereação sazonal(Embora o tempo não seja lá muito bom,mas mesmo assim não é desculpa)
Abraço,Simão

Manuel disse...

Amigo Simão, este projecto do sr. Amaral, acho que já não será equacionado pela canadamar, pois agora existe a Atlanticoline.
Abraço,
Manuel