Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Apresentado projeto de reordenamento do Porto de São Roque do Pico

A “boa governação e o cuidado que o Governo dos Açores tem colocado no desenvolvimento de obras em todas as nossas ilhas é que permite que agora, ao contrário do que assistimos no resto do país, que rigor e contenção não signifiquem na Região, pura e simplesmente, estagnação de investimentos” defendeu, esta manhã, em São Roque do Pico, o Secretário Regional da Economia, recordando que o executivo regional continua a conseguir investir, assumindo assim um papel extremamente relevante, quer na dinamização de setores que estão a ser afetados pela crise que nos chegou de fora, como é o caso da construção civil, quer no desenvolvimento de infraestruturas que vão potenciar novos investimentos e novos empregos que ajudem a ultrapassar as dificuldades atuais”.
Vasco Cordeiro, que falava durante a cerimónia de apresentação do projeto de reordenamento do Porto de São Roque do Pico, num investimento de cerca de 40 milhões de euros, desvalorizou as críticas “que alguns dirão, curiosamente em alguns casos aqueles que já tiveram a oportunidade de as fazer e não fizeram, que esta é uma obra que vem tarde, ou que já deveria ter sido feita há mais tempo”, lamentando que “nessa análise não pese um elemento que hoje em dia ganhou um novo
peso: é essencial, é absolutamente imperativo, mantermos este importante valor para a nossa Região que é a boa gestão das nossas finanças públicas”.
O Secretário Regional da Economia recordou que “os tempos são de rigor e de contenção”, realçando, no entanto, que “estas não são palavras que o Governo dos Açores apenas tenha descoberto agora. Muito pelo contrário, elas sempre nortearam a nossa atividade governativa, fazem parte da nossa identidade política açoriana, e julgo ser hoje reconhecido por todos, apesar de alguns não disfarçarem o incómodo com isso, que essas são duas grandes qualidades que o país e a Europa reconhecem ao Governo dos Açores”. O projeto hoje apresentado prevê a construção de uma gare de passageiros, dois cais de acostagem, uma rampa para navios roll on roll off e de um núcleo de recreio náutico, além das obras de reforço da segurança no porto.
Trata-se, segundo o governante, de “um investimento estruturante para o Triângulo porque vai consolidar o transporte marítimo", afirmou o governante.
Além do projeto hoje apresentado, as intervenções que o Governo dos Açores está a realizar nos portos das Velas e da Madalena, assim como a intervenção na frente marítima da cidade da Horta e a entrada ao serviço dos novos navios ferry para o transporte de passageiros e viaturas entre as ilhas do Triângulo integram, disse o Secretário Regional da Economia “uma estratégia governamental que visa a valorização económica das ilhas do Triângulo, a criação de um mercado interno regional e a melhoria da circulação de pessoas e bens".
Vasco Cordeiro manifestou-se, por isso, "orgulhoso da revolução tranquila" que tem vindo a ser operada ao nível do transporte marítimo nos Açores já que ela não só tem vindo a permiti aos Açores “recuperar o tempo perdido” como também situar-se “na dianteira da relação com o mar".
O projeto apresentado hoje prevê a construção de um molhe cais com 390mts, um terrapleno de 12.000m2 de apoio ao cais dotado de rampas roll-on roll-off e a construção de um Terminal de Passageiros. De salientar também que esta infraestrutura permitirá a receção de embarcações de recreio de grande porte num troço de cais junto à cabeça do molhe a que acresce um núcleo de recreio náutico, dotado de um travel lift e uma área de apoio em terrapleno de 6.800m2.
(©) Copyright texto e foto: Gacs.

6 comentários:

Gerundine disse...

Do texto acima:
Vasco Cordeiro manifestou-se, por isso, "orgulhoso da revolução tranquila" que tem vindo a ser operada ao nível do transporte marítimo nos Açores já que ela não só tem vindo a permiti aos Açores “recuperar o tempo perdido” como também situar-se “na dianteira da relação com o mar".

Na dianteira? Deve estar no gozo só pode. Sim... tirando as Canárias, Madeira e todas as regiões europeias insulares e mais alguma que têm serviço ferry há anos com carga rodada, realmente está na "dianteira". Valha-nos Deus as coisas que temos que ouvir. Já agora com "revolução tranquila" penso que ele quererá dizer "revolução a passo de caracol ou de tartaruga". Só pode! Entretanto toca a alugar ferrys mais uns anos.

Manuel disse...

Caro Visitante, Obrigado pelo comentário e visita.
O nosso atraso no modelo de serviço ferry é tão grande que nem vale a pena falar, com o novo afretamento uma coisa já percebi, tão cedo não temos serviço ferry anual, e dificilmente este serviço será um pilar de um mercado interno.
Mas vamos ter esperança que os políticos tenham coragem de assumir o Povo dos açores como sua principal prioridade, e não alguns interesses ou lobbies.
Abraço,
Manuel

Bruno Rodrigues disse...

Manuel,

Sabes se há algum desenho/imagem/maquete sobre este projecto do Porto de São Roque do Pico? Estou com curiosidade de ver o que vão fazer ali...

Abraço,
Bruno

Manuel disse...

Boas Bruno, ainda ontem conversava sobre isso com um amigo, também gostava de saber, infelizmente no gacs não vi nada, mas posso perguntar.
Abraço,
Manuel

DavidB disse...

consegui isto

http://i.imgur.com/WFZ0El.jpg

e Boas Pascuas

Manuel disse...

Obrigado uma Santa Pascoa para si também.
Obrigado pelo link
Abraço,
Manuel