Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

segunda-feira, 22 de setembro de 2014

Apresentado projecto para a melhoria da operacionalidade do Porto do Topo, em S. Jorge

© Copyright texto e foto: Gacs.
O Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia apresentou hoje, no Topo, o projeto de melhoria das condições de operacionalidade e segurança do porto desta vila da ilha de S. Jorge, manifestando a convicção de que a nova infraestrutura permitirá promover o desenvolvimento económico e a criação de emprego.

“O nosso plano é adjudicar o projeto de execução ainda este ano, de forma a que toda a tramitação legal, que é muito demorada numa obra como esta, possa desenrolar-se durante o primeiro semestre do próximo ano e a obra esteja em condições de começar no início do verão”, afirmou Fausto Brito e Abreu, acrescentando esperar que a obra permita “trazer retorno para toda a Região”.

 Na intervenção que proferiu na cerimónia, o Secretário Regional salientou que esta obra, orçada em
cerca de 2,2 milhões de euros, é uma necessidade antiga, recordando que a sua realização foi uma promessa eleitoral, que agora dá mais um passo para a sua concretização, através da apresentação pública do projeto.

“A pesca é uma atividade que beneficiará diretamente, mas o porto será um pólo de desenvolvimento também para outras atividades, como a náutica de recreio ou as atividades marítimo-turísticas, que estão a ter cada vez mais procura na Região”, frisou.

“O nosso mar está cheio de riquezas que ainda não estamos a explorar totalmente. Este porto e outras infraestruturas em que o Governo está a investir vão dar a possibilidade de as explorar bem, mas vamos precisar da capacidade dos homens do mar e de outros empreendedores que saibam tirar o máximo proveito deste investimento”, afirmou Fausto Brito e Abreu.

O projeto hoje apresentado prevê a construção de um molhe cais mais rodado para norte, de modo a fechar mais a bacia portuária, ficando a frente de acostagem com 40 metros de comprimento.

O porto ficará dotado com uma área de terrapleno de 1.300 metros quadrados, com uma zona de cais acostável de cerca de 77 metros, mais 50 metros do que atualmente, e será também construída uma nova rampa de varagem, com 7,5 metros de largura.    
 

7 comentários:

Rui Carvalho disse...

Caro MMCB

Importam-se de repetir que não percebi muito bem.

Abraço

ErrE

Anónimo disse...

Já não era sem tempo. Há décadas que se fala disso e é preciso ver que é uma obra importante não só para o Topo como para a terceira.Bem haja este governo que teve sensibilidade para tal

Anónimo disse...

Bom dia. a ilha de São Jorge deve fazer parte de um outro pais rico que nao Portugal e nós nem sabemos disso. Há que investigar os registos da história.
Qual a falta de um porto no Topo . Assim a viagem para a Terceira nos moldes em que está a ser feita pela Transmaçor demora mais quase uma hora com mais um stop no percurso. Isto é o que se chama cabeças ôcas . Como dizia Cristo : Pai perdoa-lhes que eles não sabem o que fazem

Anónimo disse...

Falam que esta obra vai custar 2 milhoes julgo ser mais prioritario as rampas em Angra e Calheta ,pois a ligaçao Angra Calheta este ano foi muito procurada.

Anónimo disse...

Ja agora faziam um portinho com terminal ferry nos Mosteiros para ser mais pertinho a ligaçao S Miguel-Terceira, um portinho na vila da Povoaçao, outro no Nordeste, na Praia do Galeão etc etc. Folclore e estarraço de dinheiros...dos contribuintes.

Anónimo disse...

E também um cais melhor em santo amaro do pico para a calheta de são Jorge tb ter alguma centralidade.

Anónimo disse...

A Calheta de S. jorge esta no centro de S. jorge e despensa o Porto de S.Amaro do Pico pra se afirmar como tal , precisa e que os politicos locais a vissem de uma forma diferente e nao fizessem obras no extremo da ilha so para irem buscar uns miseraveis votos. O Topo ja deu o que havia de dar.