Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

"Espírito Santo", o ferry esquecido



© Copyright fotos: MM Bettencourt; João Mendonça.
Em  post anterior, fazia uma reflexão sobre a possibilidade de se aplicar o conceito de polivalência ao ao transporte marítimo nos Açores, associando capacidade de transportar contentores, passageiros, e viaturas (VER AQUI).
Se eventualmente poderíamos pensar que se tratava de algo muito inovador, estamos completamente errados! E o exemplo disso mesmo, não vem de longe, mas sim da nossa região,  de um pequeno navio ferry que quanto a mim, tem sido desvalorizado em termos de conceito, provavelmente por todos nós. De que navio falo? Do pequenito ferry dos TMG, Lda, "Espírito Santo"!
Este pequeno navio, tem capacidade para transportar carga (Já transportou em ocasiões especiais contentores), passageiros e viaturas, mantendo a sua porta de popa utilizada na Noruega. Diria que se trata de um conceito muito semelhante ao, "Bella Desgagnés" (VER AQUI).  Este pequeno ferry, foi construído em 1964, registando a bela idade de 50 anos! Ou seja, os nossos "amigos" noruegueses há 50 anos construíram um pequeno e versátil ferry, que em termos de conceito nos Açores é provavelmente demasiado jovem para a nossa mentalidade, incluindo a minha, que ainda continua a pensar nos ferrys convencionais.
O navio, “Espirito Santo" é o mais pequeno da frota dos TMG,Lda.- Transportes Marítimos Graciosenses, com 37,5 metros de comprimento e 8,5 metros de boca, este navio foi construído em 1964 em Løland MV, Leirvik, Noruega. Para além do transporte de carga, tinha capacidade para 50 passageiros e 11 viaturas. Foi inicialmente baptizado de, “Nauma II”, nome que ostentou até 1985 quando então mudou de nome e foi renomeado de, "Vefsna". De 1985 a 1993 fez a rota entre a pequena cidade de, Sandnessjøen e a ilha Træna para a, Helgeland Trafikkselskap, e em 1993 os TMG, Lda., adquiriram-no e passou então a chamar-se “Espírito Santo”.
Este navio embora pequeno é versátil, a sua lotação de passageiros foi sendo reduzida e é agora de 12 passageiros, um bilhete Graciosa-Terceira, custa cerca de 20 euros, (esta viagem pode estar condicionada se for transportado gás), carregamento das viaturas e carga é feita pela grua do navio com capacidade para 3,5 tons. O, “Espírito Santo”, mantém na popa as suas portas e o suporte para a rampa, que usava na Noruega, e que não escondem a sua identidade de ferry. Nas suas cargas transportadas para o porto da Graciosa, também se inclui embora em caso especiais contentores de combustível (TK) e contentores frigoríficos, de 20´.

2 comentários:

João DaCruz Gonçalves disse...

Um excelente navio onde tive a oportunidade de acompanhar um dos trânsitos entre P. Vitória e o Porto da Praia, na Graciosa.

Manuel Bettencourt disse...

Caro Cte. Gonçalves,

Eu infelizmente nunca fiz uma viagem nele, quem sabe um dia.

Um Abraço,
Manuel