Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Secção da popa do "Mol Comfort", afunda-se (Press release)

 (©) COPYRIGHT FOTOS: MRCC MUMBAI.
Press release of the: Mitsui O.S.K. Lines
Imagens do naufrágio AQUI
TOKYO- Mitsui O.S.K. Lines, Ltd. (MOL; President: Koichi Muto) reports the aft part of the containership MOL Comfort sank in the open sea near 14’26”N 66’26”E (water depth about 4,000m) at 16:48 JST (11:48 Dubai time) on June 27. 
The vessel had been unable to continue sailing under its own power from June 17 because the hull fractured in 2 parts while under way on the Indian Ocean. 

About 1,700 containers aboard the aft part sank with this section of the vessel. Some are confirmed floating near the site.

About 1,500 metric tons of fuel oil was estimated to be aboard in the tanks of the aft part. No large volume of oil leakage is confirmed at this moment.

We have reported this fact to Indian authorities while we are keeping  patrol boats in the area to monitor the situation of oil leakage and floating containers.

The fore part is being stably towed.


TÓQUIO-Mitsui O.S.K. Lines, Ltd. (MOL; Presidente: Koichi Muto) relata que a parte da popa do cargueiro "MOL Comfort" afundou no mar aberto perto 14'26 "N 66'26" E (profundidade da água cerca de 4.000 m) às 16:48 JST (11:48 Dubai vez) em 27 de junho.
O navio tinha sido incapaz de continuar navegando sob os seus próprios meios em 17 de junho, porque o casco  fraturou-se em duas partes, enquanto navegava no Oceano Índico.

Cerca de 1.700 contentores a bordo da parte da popa afundaram com esta seção do navio. Alguns estão  flutuando perto do local


Cerca de 1.500 toneladas de óleo combustível foi estimada a bordo nos tanques da parte . Nenhum grande volume de vazamento de óleo é confirmado neste momento.

Nós relatamos este fato às autoridades indianas, enquanto  estamos mantendo barcos de patrulha na área para monitorizar a situação de derrames de óleo e recipientes flutuantes.

A parte dianteira é estável e sendo rebocada.

5 comentários:

António Barreto disse...

Porque não o rebocaram?

Manuel disse...

Caro António Barreto, não sei, se calhar esta secção já apresentava sinais de que não fluuaria muito tempo, digo eu!
Cumprimentos
Manuel

Ricardo disse...

Ainda muitos dias aguentou a flutuar. Vamos ver se a proa se aguenta...

Rui Carvalho disse...

Caro MMB

Para quem estiver interessado em ver mais fotos do afundanço.

http://gcaptain.com/comfort-images/

Abraço

ErrE

Manuel disse...

Boas Ricardo e Rui,

No início do texto no post tem um link para o gcpatain, onde se pode ver as imagens.

Salu2
Manuel