Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Governo dos Açores dá orientação à APTG para contratar Piloto de barra residente

 O Governo dos Açores, reunido na ilha Graciosa, no dia 15 de Junho de 2011, no âmbito da visita estatutária esta ilha, tomou 27  medidas que dizem respeito a esta ilha, sendo que destaco duas que dizem directamente respeito ao porto da Graciosa, nomeadamente os pontos 8 e 10.( ver comunicado aqui)
 8. Dar orientação à Administração dos Portos da Terceira e Graciosa para a contratação de um piloto de barra para assegurar o serviço de apoio ao tráfego marítimo de passageiros e de mercadorias na ilha da Graciosa.
10. Dar orientação à Administração dos Portos da Terceira e Graciosa para, até Outubro do corrente ano, lançar o procedimento relativo à empreitada de construção da rampa roll on–roll off no Porto Comercial da Praia da Graciosa, num investimento de cerca de um milhão de euros.
Em relação a estes dois pontos, o primeiro causa alguma estranheza ou talvez não, mas nem tudo aquilo que se sabe e se pensa se deve ou pode dizer, pelo menos até se perceber o que realmente irá acontecer, já o segundo era mais que  esperado restando agora a curiosidade de saber qual o projecto da rampa sua localização, fundos etc, lembrando que do outro lado no porto de pescas se fala no aumento da cabeça de molhe afim de proteger esse porto, o que poderá ter também implicações naquela zona do porto.
Copyright fotos: 1ª Gacs; 2 ª captura google earth/ desenho MM Bettencourt; 3ª MM Bettencourt, Graciosa.
 

4 comentários:

Anónimo disse...

mas é contra o primeiro ponto?

Manuel disse...

Boas caro anónimo, nem contra nem a favor, sobre isso falta saber qual a resposta a perguntas que eu faço a mim mesmo, para formar uma opinião .
Cumprimentos
Manuel

Rui Carvalho disse...

Caro MMB

A administração da APTG,SA a mando do (des)Governo dos Açores ordenou (ao contrário do que se passou na SATA E EDA que também são empresas do sector empresarial dos estado) cortar ordenados na ordem dos 11%.
Sabe-se que a exigência, repito exigência política de pôr um piloto na Graciosa aparece por reivindicação das chamadas forças vivas da ilha, e é disso que se trata, à longos meses sem olhar às opções estratégicas e de funcionamento operacional tomadas e impostas ao pilotos no passado.
Explico melhor, ficar na Terceira e deslocar-se à Graciosa.
Posto em prática o corte salarial e os congelamentos das carreiras, com base em demagogia "bacoca" de dificuldades no défice das contas públicas, das quais a APTG,SA não recebe um cêntimo e antes pelo contrário contribui com milhões em obras de questionável interesse público, como dizia, posto em prática esses cortes e congelamentos criou-se a folga orçamental para colocar um piloto na Graciosa onde deveria ter sido colocado desde o início conforme sempre foi a nossa opinião não fosse a inteligência apuradíssima dos "prostitutos" políticos que são colocados à frente das nossas empresas.
No fim escreve-se direito por linhas tortas, mas pelo caminho atropela-se tudo e todos não pelo interesse público mas sim pela casmurrice, prepotência, autoritarismo e arrogância dos Boys colocados para dizer sempre sim a meia dúzia de políticos demagogos e incompetentes.
A Graciosa será bem servida, o resto do país não.
Temos dito.
Abraço

Rui Carvalho
Temos dito.

Manuel disse...

Amigo Rui, eu à já bastante tempo que deixei de acreditar em politicos, assim eles já não me surpreendem.
Abraço
Manuel