Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Atlânticoline, apresentou as principais características dos novos ferrys

A Administração da Atlânticoline, presidida pelo Dr. Carlos Reis, promoveu hoje uma conferência de impressa, em Ponta Delgada, que teve por objectivo dar a conhecer as principais características que servirão de base ao concurso de concepção e construção dos dois novos ferrys destinados a operar no serviço inter-ilhas, substituindo o habitual fretamento de navios.
O presidente da Atlânticoline, referiu na  conferência de impressa, que o investimento será efectuado com recurso a fundos comunitários, o que reduz o investimento necessário, tornando-se a prazo,  mais económico do que a opção de fretamento actual, uma vez que a vida útil dos navios situa-se entre os 20 a 30 anos.
Os dados aplicados nas características base, são baseados na experiência da operação actual, sendo que essas características,  são muito semelhantes ao ferry, "Express Santorini", uma vez que se trata do mesmo comprimento, um porte semelhante (749 t), com um upgrade na velocidade e certamente em outras questões. © Foto e logo: Atlânticoline.

Principais pontos apresentados:

 -Construção de 2 navios gêmeos.

- Comprimento 115 metros.

- Porte: 725 tons

- Velocidade 25 nós a 100%.

- 20 Camarotes.

- Estaleiros serão responsáveis por  conceber projecto e construção.

- Valor das construções orçadas em: 85 m€.

- Prazo para entrega dos navios: Operação de 2016.

- Propostas até 70 dias a partir de hoje.

- Capacidade mínima para 650 passageiros e 150 viaturas.

-  Rampa de popa e uma rampa lateral a bombordo 

-  Espaço para adaptação para combustível LMG (tanques de gás líquido).

Um Agradecimento pela colaboração ao Amigo José Pastor!

18 comentários:

Rui Carvalho disse...

Caro MMCB

Só lamento que se avance para a construção sem se explicar a viabilidade do negócio.
Se as taxas nem chegam para o combustível...!
Já se está a ver o filme!
PAGA POVO !!!

Abraço


ErrE

Manuel Bettencourt disse...

Amigo ErrE,

sabes bem que sou defensor (mal ou bem) de um serviço ferry anual moderno e factor de desenvolvimento sócio-económico das nossas ilhas. Quem não pode ter pontes, tem ferrys!

Abraço,

Manuel

Anónimo disse...

Faltou a característica principal: ou TMGs, Pareces Machado e Barcos do Pico fecham a porta e a carga geral vai na Atlanticoline ou os bilhetes dos passageiros vão continuar a não dar para o combustível.

Manuel Bettencourt disse...

Caro Visitante,
A malta que fez a notícia dos bilhetes/combustível, esqueceu-se de contabilizar a venda dos bilhetes das viaturas!


Abraço
Manuel

Anónimo disse...

Mas com navios próprios, a Atlanticoline passa a ser responsável pela manutenção, seguros, tripulações, etc. durante o ano inteiro (não são só 3 ou 4 meses no Verão) e duvido que hajam viaturas ligeiras que cheguem. Se meterem veículos de mercadorias com carga, a coisa pode mudar de figura, mas duvido que haja carga para a Atlanticoline e para quem está actualmente no mercado.

Manuel Bettencourt disse...

Caro Visitante,

Com a entrada de dois navios no "mercado marítimo açores", terá eventualmente de haver o tal efeito cascata! Digo eu!
http://vimeo.com/61099823

Abraço
Manuel

Anónimo disse...

Sejamos realistas. Nem com viaturas empilhadas umas por cima das outras, algum dia dará para o "petróleo".

Kevin Tomé disse...

A meu ver é e será sempre essencial um serviço ferry nos Açores todo o ano! No entantou sou da opinião que se devia ter optado por um ferry de dimensão superior ( carateristicas iguais ao que foram lançados a concurso) para rotas com maior volume de pessoas é viaturas, e por um de dimensao inferior para servir as ilhas com menor dimensão, este último operando durante o inverno época de menor procura! Um pouco como a sata faz com a sua frota, sem querer comparar por inteiro. É necessário construir pontes de União e fazer dos Açores uma ecinomia interligada, coisa que no futuro ( e o futuro constroi-se hoje) irá por certo acontecer! Bem haja Kevin Toménecessário

Manuel Bettencourt disse...

Caro Visitante, e amigo Kevin,

Antes de mais vejo os ferrys como ferramentas, ou seja serão as pontes que nos falta e que fazem com que as nossas ilhas estejam muito distantes.
Julgo que se houver coragem política, os ferrys podem ser um factor de desenvolvimento regional, ou seja poderão ser a ferramenta fundamental para criar um mercado Açores, que actualmente não existe!
Sabem quantos dias leva para fazer chegar via marítima um carro da Graciosa ao Faial (o exemplo podia ser outro)? São actualmente 8 dias! Lindo não é?
Abraço
Manuel

Anónimo disse...

Perdoa os senhor pois eles não sabem o que fazem!!!!!!!!

ODO-CAMARA DE LOBOS disse...

A realidade dos Açores quanto a transportes é bem destinta da Madeira, existe um ferry que todos os dias liga as duas ilhas transportando passageiros e viaturas de todo o tipo bem como todo tipo de produtos.
Entendo que isso tem custos elevados que e devem ser derramados pela população local sãos os custos da insularidade no entanto, como em Canarias a titulo de compensação os residentes pagam menos.
Entretanto lembro para os ilhéus dos Açores, Madeira ou Canarias, as nossas autoestradas fazem-se por mar, através dos ferrys, por isso não é justo estarmos a ser chamados a cobrir custos excessivos de despesas no tocante a vias rápidas ou autoestradas, quando não beneficiamos das mesmas.

Manuel Bettencourt disse...

Caro Odo-camara de lobos, concordo consigo, somos todos diferente todos iguais na necessidade de interligação entre ilhas, arranjem-me uma ponte e eu desisto do sonho dos ferrys!
Só como exemplo se quiser enviar uma encomenda via marítima a um amigo no Faial ela actualmente leva uns 8 dias!!! Porreiro não é! Os ferrys podem revolucionar isso!

Abraço,
Manuel

Ildefonso Ávila disse...

Bom dia
Só quero acrescentar, embora não sabendo explicar em concreto, mas o que sei pelo que ouvi, os novos navios terão de ser equipados com motores em que o consumo de combustivel, será muito menor do que atualmente acontece com os navios alugados "Santorini e Hellenic wind". Não sei se o amigo Manuel tem alguma informção sobre esse assunto. Cumprimentos, Ildefonso Ávila.

Jorge Azevedo disse...

De facto é uma excelente notícia e sem dúvida que é a ponte que falta nos Açores para que tenhamos um mercado regional, irá desenvolver o comércio e o turismo. Basta ver os outros Arquipélagos.
Quanto à carga rolada, basta fazer parcerias com os TMG, Etc. Por exemplo em vez de ter de operar com 3 Barcos operavam só com 2, assim teriam menus custos.
Cumprimentos
Jorge Azevedo

Manuel Bettencourt disse...

Boas amigos Ildefonso e Jorge
Quanto ao combustível não sei mas penso que irão gastar menos que o HSC Hellenic Wind. Existe muitas questões por saber tais com o sistema de propulsão !
Os ferrys são bem vindos pois existe uma real necessidade de criar um mercado interno e nisso estamos de acordo!
Um abraço
Manuel

Mar Azul disse...

Sei de fonte segura que a administração ENVC/Empordef esta a considerar serimente entregar o navio a Atlanticoline, mesmo esta não querendo o navio, como dação em pagamento dos oito milhoes de euros em falta do pagamento em causa da nao rescinsao do contrato era o cumulo lol

Ildefonso Ávila disse...

Boa tarde amigo Mar azul
Se assim acontecer, só fica a ganhar é a Atlanticoline, vendido em concurso público internacional, vá valer bem mais do que os 8 milhões que eles estão devendo. Um abraço.

Anónimo disse...

Já estou a ver o filme, deve ser um fato a medida para o estaleiro Armon de certeza para construção desses navios.