Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

segunda-feira, 27 de julho de 2015

Navio "Minerva" em Angra do Heroísmo











 © Copyright fotos: João Bettencourt Mendonça, Terceira.
Registo fotográfico da autoria do Amigo, João Bettencourt Mendonça, relativo à escala hoje em Angra do Heroísmo do navio de cruzeiros, "Minerva". O navio ao fundear na histórica baía da Angra do Heroísmo, leva-nos a reflectir na já "velha" questão do porto de cruzeiros de Angra do Heroísmo, será mesmo necessário? 
Um Agradecimento ao Angra Marina Hotel e à Pousada de São Sebastião (Castelinho) - Pousadas de Portugal a oportunidade de ter tirado algumas fotografias a partir das suas instalações.
Dados técnicos:
Nome: MINERVA.
Tipo: Passageiros/Cruzeiro.
IMO: 9144196.
Indicativo: C6NP5.
MMSI: 309477000.
Bandeira: Bahamas.
Porto de Registo: Nassau.
Numero Oficial: 727480.
Operadores: Swan Hellenic Cruises- Southampton, Inglaterra, Reino Unido.
Classe: Registo Italiano Navale.
Ano de Construção: 1996.
Data de Entregue: 25/04/1996.
Estaleiros: Okean, Sudostroitelnyy Zavod- Nikolayev, Ucrânia (Casco). Casco#001.
                 Mariotti Spa,T- Génova, Itália (Resto da Embarcação). Casco#595.
Comprimento Fora a Fora: 133,55 metros.
Comprimento entre Perpendiculares: 115,10 metros.
Boca: 20,00 metros.
Pontal: 9,00 metros.
Calado: 5,82 metros.
Arqueação Bruta: 12,892 toneladas.
Arqueação Liquida: 4,349 toneladas.
Porte Bruto: 2,004 toneladas.
Numero de Convés Para Passageiros: 6. Numero de Cabines: 175. Numero de Camas: 428. Numero de Tripulantes: 160.
Potencia de Maquinas: 6,920 kW (9,408 hp), 520,00 rpm. 2 hélices CP, 150,00 rpm.
Velocidade de Serviço: 16,00 nos.
Potencia de Geradores Auxiliares: 7,200 kw.
Potencia de Thrusters: 500,00 kW (680,00 bhp).
Nomes Anteriores: Okean (1989-1996), Minerva (1996-2003), Saga Pearl (05/2003-11/2003), Explorer II (2003-2004), Saga Pearl (2004-2005), Explorer II (02/2005-03/2005), Alexander von Humboldt (2005-2006), Explorer II (01/2006-06/2006), Alexander von Humboldt (2006-2007), e Explorer II (2007-03/2008).


6 comentários:

Luís Henriques disse...

As fotos estão fantásticas... e o tempo parece ter ajudado.
Há quem ainda pense que um cais de cruzeiros irá resolver os problemas de Angra :)
Preferia ver antes um centro interpretativo da Baía com muita actividade assim como uma actividade de mergulho desportivo-cultural. Mas mais depressa o Manuel vê a sua ideia de carga "roll-on/roll-off" posta em prática do que esta "história" do centro interpretativo :)

um abraço

João Bettencourt Mendonça disse...

Realmente o centro interpretativo da baía, com muita atividade maritimo-turistica, mergulho, desporto, cultura, etc. etc, encaixam perfeitamente num grande porto.

Além disso, a atividade de cruzeiros, bem como o interface ferry (Angra está no centro do arquipélago) de passageiros e carga rodada são perfeitamente conciliáveis e complementares.

Deixemos a Praia da Vitória para outros voos mais altos como o HUB, o entreposto de carvão, de gás natural, etc.

Olhemos para as apostas recentes dos terminais de cruzeiro de Lisboa e Leixões. Até a Figueira da Foz e Aveiro querem modernizar-se e instalar terminais de cruzeiro para barcos mais pequenos. Ponta Delgada e a Horta também já o fizeram, embora a Horta tenha ficado manca.

Será que estão todos errados e só Angra é que está no passo certo???

Manuel Bettencourt disse...

Meus amigos,

Defendo a potencialização do porto da Praia da Vitória para bem da Terceira e dos Açores, mais não digo...
Um Abraço aos dois,
Manuel

Manuel Bettencourt disse...

Já me esquecia, as fotos estão excelentes até me sinto mal ser anti-caís de cruzeiros em Angra :))

Abraço
Manuel

Rui Carvalho disse...

Caríssimos,

Como sabem os paquetes são cada vez maiores, com mais capacidade, e para que possamos recebe-los em Angra a obra teria de ser COLOSSAL no tamanho e no custo.

Senão, veja-se o que as poupanças fizeram do terminal da Horta, um terminalzinho, pequeno, apertado e muitas vezes pouco operacional sem capacidade para receber os grandes paquetes.

Angra seria isso tudo e muito mais, um potencial desastre, um ELEFANTE BRANCO, uma obra política e sem futuro.

No entanto a Praia tem já um quebra mar feito, Angra não tem, e além disso a cabeça do quebra mar ficaria a uns incríveis 30 metros de profundidade !!! - vejam nas cartas náuticas.

Leixões. Lisboa, Portimão, Funchal e Ponta Delgada, todos construiriam terminais e cais já dentro dos quebra mares e a profundidades de 8 - 12 metros.

Julgo que uma opção meramente política e bairrista não ajudaria ninguém, nem os paquetes nem os turistas nem os Terceirenses em geral.

Por isso e por muito mais sou contra o cais de cruzeiros em Angra do Heroísmo, é a minha profunda convicção e a minha opinião como Oficial da Marinha Mercante Portuguesa - com muito orgulho.

Abraço a todos.

ErrE

CAP CRÉUS disse...

Espero que as mentes brilhantes não tenham mais uma ideia brilhante.
Não estraguem e não se armem em novos ricos.
Belas fotos!