Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

terça-feira, 5 de abril de 2011

"Volcan del Teide" e a linha Açores-Madeira-Continente

Este blogue, desde o seu inicio, mantém uma ligação muito próxima com os arquipélagos das Canárias e Madeira, essa ligação permite-me ir conhecendo melhor, o funcionamento ferry nesses dois grupos de ilhas Atlânticas e perceber que a nível de transporte ferry inter-ilhas as diferenças são enormes. Enquanto aqui as ligações ferry são sazonais e limitadas, não podendo transportar a tal carga rodada, por lá os ferrys fazem uso da sua polivalência, algo que poderá eventualmente acontecer no futuro com a construção das já anunciadas rampas ro-ro.
Quanto à ligação ferry entre estes 3 arquipélagos ( Açores-Madeira-Canárias), e o continente europeu, a diferença será ainda maior, pois tanto a Madeira como as Canárias, podem usufruir de tal vantagem, enquanto que nos Açores a ligação de passageiros passa exclusivamente pelo avião, e ainda assim com custos superiores aos nossos vizinhos.
É pois com base no que acima escrevi, que tomo a liberdade de publicar uma série de fotos relativas ao novo ferry da Armas o novíssimo "Volcan del Teide", que recentemente efectuou uma ligação entre Canárias-Madeira-Portimão, sendo que o habitual ferry da Armas que opera nesta linha é o, "Volcan de Tijarafe". Como podemos observar trata-se de um ferry moderno, construído nos Astilleros H.J. Barreras, que oferece excelentes condições aos seus passageiros, dignas de um navio de cruzeiros.
Seria certamente um sonho um dia os Açores poder contar com um navio deste tipo, que permiti-se "construir uma ponte" entre Açores-Madeira (com ligação para as Canárias)-Continente, criando uma maior e mais fácil relação comercial entre estes três arquipélagos europeus. Podia-se assim oferecer aos passageiros uma viagem de cruzeiro e umas boas férias numa dessas ilhas da Macaronésia.
Como diria o poeta “o sonho comanda a vida”, e sonhar não faz mal a ninguém, assim nasceu a petição para uma linha de transporte marítimo de passageiros entre Açores-Madeira e Continente, essa petição mereceu a atenção do jornal Correio dos Açores, e mais recentemente o mesmo jornal, publica uma entrevista com o anterior presidente da Atlanticoline, Cmdte. António Raposo, onde este afirma ser possível essa ligação.
Se calhar é altura para os armadores nacionais pensarem numa eventual viabilidade desta linha efectuada por um ferry, se não mostrarem interesse neste assunto,  ninguém irá compreender que fiquem contra quem venha de fora com vontade de efectuar o serviço.
(©) Copyright fotos: João Abreu / Blog Navios no Atlântico.
(©) Copyright fotos: Sergio Ferreira /  Blog http://sergiocruises.blogspot.com/
Um Saudação aos Amigos João Abreu e Sergio Ferreira pelo generoso envio das fotos.

22 comentários:

Jorge Azevedo disse...

Boas, o post sobre o Ponta Delgada está muito bom, quanto ao horário com 3 ligações mensais ao Grupo Ocidental é justo para aquela altura, acualmente justificava-se 4 ligações mensais ficando assim mais aliciante visitar estre Grupo. Falo por mim, quase todos os anos vou passar uma semana de férias a uma das nossas ilhas com a familia levando o carro e toudo o equipamento de campismo, pois férias nos Açores para mim é assim.
Cumprimentos.

Jorge Azevedo disse...

Ao ver o Lobo Marinho fez-me recordar a excelente semana na Madeira com a Familia onde tive oportunidade de viajar para o Porto Santo neste Magnifico Ferry. Quando ao Volcan del Teide de facto é mesmo lindo e tambem faço votos para que num futuro próximo tenhamos uma ligação semanal.

Manuel disse...

Boas amigo Jorge, este ano acho que vou fazer uma visita a S. Jorge, fica aqui ao lado e ainda não estive lá. É bonito ver as pessoas a circular com os seus carros pelas ilhas, dá-nos uma sensação de continuidade geografica.
Abraço,
Manuel

Foca Monge disse...

Li a entrevista do Correio dos Açores, através do link deste post, e creio que a existirem interesses instalados que seriam contra uma linha de ferry Açores-Madeira-Continente, os 1ºs a gritarem contra a mesma seriam a Transinsular, que tem não só linha contentorizada dos Açores para o Continente, mas tem especialmente e em situação de monopólio, a linha contentorizada dos Açores para a Madeira.

Manuel disse...

Boas Caro Visitante, Obrigado pelo comentário, provavelmente haverá quem seja contra a ideia desta linha, mas não podemos andar sempre com enorme atraso em relação ao futuro, aliás esta ideia não pretende ser contra ninguem repare que nos ferrys por exemplo em Cabo Verde já lá está a Armas e para lá vai o Ilha Azul.
Quanto aos armadores nacionais, na minha opinião podem e deviam dar um passo em frente, a Boxlines do Grupo Sousa têm conhecimento neste sector uma vez que o Lobo Marinho pertence ao mesmo grupo, a Mutualista é a herdeira natural dessa linha Açores continente, quanto à transinsular, certamente podia ter um ferry.
Acho que estes que asseguram o transporte actual, têm uma palavra a dizer, mas se não estiverem interessados, não compreenderei que depois haja guerra.
Veremos o que nos tráz o futuro, os nossos amigos armadores lá saberam o que fazer.
Abraço,
Manuel

Amigo Jorge, é uma interessante foto esta do Lobo e do Teide, um no serviço inter-ilhas e outro na linha com o continente.
Abraço,
Manuel

Ricardo disse...

Olá Manuel. Gostei bastante da parte em que diz que depois não será compreensível que não se venham queixar!
Segundo sei os armadores nacionais dizem que um ferry dá prejuízo, por ser uma rota com tendência sazonal...
Bem fazer cruzeiros em zonas polares também é um risco, visto que está sempre frio lá, por isso acho que não deviam fazê-los...ou estarei correcto?

Um abraço e ainda continuo a acreditar que a Armas vai chegar aos Açores o quanto antes e alguém vai fechar as portas. Segundo sei alguém já se queixa do menor volume de facturação numa linha regular de carga a nível nacional e ainda vai ficar pior se continuarem a não fazer nada, como até agora. Nada mas com respeito a quem está no mercado...na verdade até já fizeram muito em tribunais e através de amizades...referia-me a outros meios mais eficazes que passam por trabalho, ideias, acção.

Manuel disse...

Boas Amigo Ricardo, pois é os armadores nacionais tem a palavra de sim ou não, se não a quiserem depois não venham chorar, eu preferia ser uma Box ou Mtualista nesta linha, mas quem vier será bem vindo.
Abraço,
Manuel

Diogo disse...

Tento acompanhar com alguma regularidade a evolução da possível linha Açores-Madeira-Continente pois acredito no potencial económico que essa rota traria para os Açores, pois partilho a ideia muitas vezes referida pelo Manuel (o qual faz um excelente trabalho no seu blog, o qual visito quase diariamente) que é "contruir uma ponte" quer nos Açores como para fora destes.
Na minha opinião, a questão não se prende se se vão fechar as portas, mas sim quando as vão abrir. Acho que temos problemas ao nível de:
-infraestruturas - o porto de Ponta Delgada não tem capacidade para receber, condignamente, um barco como o "Volcan de Teide" embora tenha as "portas do mar" as quais foram pensadas para os navios de cruzeiro e para bares e restaurantes menosprezando os ferry's e ro-ro's, até com a contrução posterior da inútil rampa ro-ro;
-logístico/político - claro que tem de haver uma uma vontade em quebrar os lobby's do actual modelo de transportes marítimo, através do armadores, governo regional, sociedade. Não se trata de uma questão de sustentabilidade pois reconhecemos as vantagens, por exemplo para inúmeros produtores açorianos em colocar o seu produto no continente em menos 48 horas (teoricamente).

Abraço

Manuel disse...

Boas Diogo, Agradeço o teu comentário, e convido-te sempre que entenderes a comentares, pois aqui os comentários são sempre bem vindos.
De facto temos opinião parecida também acho que a idealizar um serviço ferry teriamos que defenir bem as infraestruturas portuárias, infelizmente parece que andamos sempre a brincar ás obras e depois fazemos algumas que não têem uma visão de futuro.

Também acho que esse serviço de ligação com o exterior dos Açores teria que ser complementado com um serviço ferry inter ilhas, mas ai estamos na idade da pedra, infelizmente é minha opinião que os nossos politicos ( todos os partidos) gostam muito dos carrinhos dos flinstones, e não estão interessados em revolucionar o transporte marítimo nos Açores.
Já reparas-te que por exemplo a Armas está em Cabo Verde ( facebook da Armas vez fotos), para lá irá o Ilha Azul.
Abraço e volte sempre
Manuel

M. Bosco disse...

Em Cabo Verde além da ARMAS, não podemos esquecer a S.T.M. Lines que opera com os ferrys "Sal Rei", e "Tarrafal". Operam também em Cabo Verde, o car-ferry "Pentalina B", o catamaran fast ferry "Kriola", etc..

Alguma info por exemplo aqui: http://www.bela-vista.net/Ferry.aspx

P.S.- Não esquecer que o velho "Lobo Marinho", após operar na Madeira, foi vendido para Cabo Verde (Cabo Verde line) e operou lá algum tempo.

gonçalo costa disse...

Amigo Manuel, o que escreveste vai ao encontro daquilo que eu defendo em relação ao transporte maritimo para os Açores....ao ler os comentarios dou conta que o "Armas " já vai a Cabo Verde....gostaria de saber mais promenores da operação...é inter ilhas ou/e liga as Canarias ou/e a mais algum lugar...esta situação pode ser muito importante para dar argumentos de viabilidade da ligação dos Açores ao Continente e Madeira de ferry....um abraço

Diogo disse...

Caro Manuel obrigado pela "hospitalidade".
Admito que sonho, de forma ingénua, que os transportes marítimos nos Açores serão parecidos aos das Canárias e ilhas Gregas, embora compreenda as diferentes realidades, quer geográficas (pela distância inter ilhas e para o continente), quer populacional (as Canárias com quase 2milhões de pessoas têm maior volume de negócios), o que afectam directamente a rentabilidade desse serviço.
Eu esperava um desenvolvimento muito maior desde a reintrodução do transporte marítimo de passageiros em 1995 (se não estou enganado). Inicialmente com um ferry, no ano seguinte adoptando o modelo de 2 ferry's que pouco se alterou desde então e com 3 empresas diferentes.
Mas precisamos de um modelo que promova a regularidade, a fluidez e rapidez e que consiga dar resposta às necessidades específicas de cada ilha. As infraestruturas estão a começar a aparecer. Depois espero uma redefinição do modelo dos ferry's (embora considere que cá navegam no verão realizam um satisfatório/bom trabalho). E na minha opinião não deveria ser uma empresa pública a explorar.
Por último uma boa articulação com a ligação Açores-Madeira-Continente.
Bem, vou continuar a sonhar...

Abraço

Manuel disse...

Amigos, Diogo, M Bosco e Gonçalo, mais uma vez obrigado por participarem nos comentários, pois considero estes como parte importante do post.
Bem em primeiro lugar vou agradecer os links do M Bosco, já lá vou dar uma espreitadela, entretanto fica aqui dois links do Amigo DavidB de imagens de Cabo Verde:
http://i1.trekearth.com/photos/34171/20060718cv_mindelo10.jpg

http://3.bp.blogspot.com/_Aqw0OlGAfTE/S2QgmspSWKI/AAAAAAAABHc/GSP1Ukop-sk/s400/1.jpg

http://www.cvfastferry.com/v1/

Gonçalo penso que a Armas em Cabo Verde apenas faz inter-ilhas, mas se tiver errado alguem que me corrija.
Bem sei que Canárias ou mesmo Madeira não se pode comparar com os Açores, mas vou dar um exemplo concreto da nossa região: No porto está um ferry a desembarcar passageiros e carros, ao seu lado está mais um navio que só transporta carga inter ilhas, bem acho eu, que um ferry podia fazer tudo.
Vou aqui lembrar que a Armas nasce nas Canárias como um pequeno armador, que em certa altura deixou os navios de carga convencionais e optou por ferrys, aqui parece que somos os génios e os outros são todos burros ( não estou a falar de porta-contentores).
Gostava para os Açores uma solução tipo a da Maddeira com o Porto Santo.
Parece-me que o maior perigo de um ferry inter-ilhas todo o ano nos Açores, seria a grande facilidade com que nós podiamos aceder por exemplo ao mercado de S. Miguel, esse mercado insular seria acessivel a todos e isso para alguns (poucos ) não convem.
Por exemplo com um ferry inter-ilha regular todo o ano, seria fácil uma empresa de graciosa ir fazer um serviço à Terceira e vice-versa, ou então S. Miguel, ou Flores, teriamos assim a tal ponte entre todas as ilhas.
Abraço e voltem sempre
Manuel

Manuel disse...

Boas M Bosco, já via o link, super interessante, gostei do fast ferry feito na Damen.
Esta semana quando fizer o pst do Ruby, vou tentar explicar a minha ideia para o serviço inter ilhas.
Abraço,
Manuel

M. Bosco disse...

Manuel, disponha sempre. Cá esperaremos esse post do Ruby e aqui fica mais um link sobre as operações ferry (e não só) em Cabo Verde, com muitas fotos e info:

http://www.simplonpc.co.uk/CapeVerdeIslands.html

Abraço.

Manuel disse...

Caro M Bosco, Obrigado por mais este link, de facto não tenho muita informação em relação a Cabo Verde, continuo a gostar do fast ferry da Damen, tenho que ver melhor o navio.
Abraço e volta sempre,
Manuel

Anónimo disse...

Manuel, se puder, não perca a edição deste mês (Abril) da revista "Exame". Tema de capa: "Grupo Sousa, o dono da Madeira". É capaz de achar interessante.. http://aeiou.expresso.pt/nao-perca-na-exame-de-abril=f641833

Manuel disse...

Boas Caro Visitante, Obrigado pela informação vou pedir a um amigo que me compre a revista, infelizmente por aqui não está disponivel.
Têm razão deve ser um artigo interessante.
Abraço e volte sempre
Manuel

DavidB disse...

O Miguel de Sousa num dos paines do congresso do Psd , disse que vai retirar um dos Porta Contentores de circulação .

Já deveria ter feito isto a mais tempo , com a compra da Boxline ficou com muitos barcos para pouca carga .


Sobre a ligação de ferry entre a Madeira e os Açores duvido muito que alguma empressa Madeirense , Açoriana ou mesmo Continental pege ...se alguem pegar vai ser o Armas porque ele quer crescer e para crescer vai ter de alargar a operação para os Açores

Manuel disse...

Boas Amigo DavidB, segundo sei será o Apolo, que está na linha da Madeira, penso que a dupla Madeirense 3 e Ruby se irá manter na linha dos Açores, a Box Lines na Madeira têm outras opções para colocar a carga, mas não tenho a certeza.
Eu gostava de uma linha ferry entre Açores e Madeira, pois bem temos alguns armadores nacionais que podiam assegurar essa linha, repare a Mutualista é a herdeira natural da linha de passageiros dos Açores para o continente, o Grupo Sousa têm a Porto Santo Line, por isso qualquer um podia investir nessa linha, mas se não estiverem interessados, logo se vê, pode ser a Armas.
Abraço,
Manuel

João Mendonça disse...

Confesso que esta ideia de um triângulo de arquipélagos ligados entre si e o continente português (e porque não África?) via ferry apenas me dá vontade de perguntar: Mas isto já não existe no séc. XXI? (parece que não).
A pergunta ainda é: Quantos mais anos vamos esperar por esta operação marítima "obrigatória" em arquipélagos?
Temo que muitos, ainda por cima, depois de se ver o que aconteceu quando a AirLuxor tentou voar para cá. Temo que à ARMAS seja aplicada a mesma receita. Mas nós vamos continuar a pagar as tarifas mais caras (aéreas e marítimas) europeias e seremos sempre felizes, embora cada vez mais pobres.
Há alguns anos atrás, uma empresa de Cabo Verde quis comprar o nosso ferry "Espírito Santo", dos TMG. Depois de ver as imagens publicadas nos vários comentários deste blogue, percebo que tenham desistido da ideia. Já teremos certamente algo a aprender com eles neste domínio, desde que nos desprendamos de preconceitos.
Vamos acreditar que vamos ter um dia um serviço ferry inter ilhas (e inter arquipélagos) com passageiros e carga rodada o ano inteiro e aí sim, poderemos dizer que efetivamente vivemos num arquipélago e não “numa qualquer ilha isolada”, como nos sentimos hoje nos Açores.

Manuel disse...

Amigo João, Obrigado pelo teu comentário, faço minhas todas as tuas palavras. O mais grave tal como diz o povo é "o pior cego é aquele que não quer ver", mas eu diria aquele que não lhe interessa ver.
Quem paga e irá pagar no futuro serão os nossos filhos.
Vou te lembrar apenas uma coisa, aquelas fotos no facebook do Manuel J. Lobão, onde se vê o antigo Espirito Santo de madeira no ano 1968, só para comparar o actual já navegava na Noruega como ferry desde 1964, já imaginas-te o nosso atraso?
Abraço
Manuel