Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Atlânticoline, apresenta resultado positivo relativo ao ano de 2011

A Atlânticoline e a Transmaçor, as duas empresas públicas de transporte marítimo nos Açores, terminaram o ano de 2011 com resultados financeiros diametralmente opostos. A Atlânticoline, que opera entre todas as ilhas, teve um resultado positivo de 65 mil euros, ao passo que a Transmaçor, que opera apenas no Grupo Central, apresentou um resultado negativo de 65 mil euros.
O secretário regional do Turismo e Transportes, Vítor Fraga, anunciou a 21 de novembro, durante o debate do programa do Governo regional no Parlamento açoriano, a intenção de proceder à "fusão" das duas empresas, com vista à redução dos custos de operação.
(©) Copyright fotos: 1ª MM Bettencourt, Graciosa; 2ª Miguel Nóia, Faial

11 comentários:

Anónimo disse...

Alguem que me explique como se eu fosse um menino de 5 anos . Entao fazem um emprestimo de 5 milhoes e tem um resultado positivo de 65 mileuros ? Diacho... e a coincidencia de o lucro de uma ser igual ao prejuizo da outra . Isto parece as contas do Sporting . :)

Manuel disse...

Meu caro Amigo sou do Sporting!

Abraço,
Manuel

Anónimo nº2 disse...

Uma coisa são resultados financeiros, outra coisa são resultados operacionais. Pensava que só o custo com o aluguer dos navios comeria qualquer lucro que alguma vez se sonhasse ter. Se há algum economista por aí podia esclarecer-nos melhor.

P.S. - O 1º comentário do anónimo tem uma certa piada e dá que pensar.

Anónimo disse...

Não comentei por seres do Sporting. Já te disse por vezes que devias ser azul. Abraço

Rui Carvalho disse...

Caro MMB

Então também não percebes ?

Pois.
Eu cá tinha muito a dizer.

Abraço

ErrE

Anónimo disse...

Que belas contas que vão para aqui. Isto é engenharia financeira do melhor (ou será do pior?). Uma empresa recebe o dinheiro de uma multa da outra em presa. Epá, só visto:

Atlânticoline dá lucro graças a multa

Transmaçor ajudou a equilibrar as contas da Atlânticoline, ao assumir, por decisão do Governo Regional, uma dívida de 550 mil euros

A Atlânticoline e a Transmaçor, as duas empresas públicas de transporte marítimo nos Açores, terminaram o ano de 2011 com resultados financeiros diametralmente opostos.

De acordo com as contas públicas das duas empresas, que o Governo Regional enviou recentemente ao Parlamento dos Açores, a Atlânticoline, que opera entre todas as ilhas, teve um resultado positivo de 65 mil euros, ao passo que a Transmaçor, que opera apenas no Grupo Central, apresentou um resultado negativo de 65 mil euros.

O relatório de contas de 2011 das duas empresas, revela, porém, que foi a Transmaçor quem ajudou a equilibrar as contas da Atlânticoline, ao assumir nesse ano, por decisão do Governo regional, uma dívida de 550 mil euros, que será transferida para os cofres da segunda.

O dinheiro em causa refere-se a uma antiga multa aplicada à Transmaçor, em 2006, por alegado incumprimento no serviço público de transporte marítimo nesse ano, numa altura em que a empresa era gerida por privados.

Ao assumir a maioria do capital social da empresa em 2011 (cerca de 88%), o Executivo deu orientações à administração da Transmaçor para que assumisse a dívida referente a essa multa.

Apesar do saldo positivo de 65 mil euros, a administração da Atlânticoline recorreu em 2011 a um empréstimo bancário de 2 milhões de euros e quase esgotou o ‘plafond’ das duas contas caucionadas que possuía, no valor de 3 milhões de euros, para evitar uma derrapagem financeira.

No total, foram 5 milhões de euros de dívidas que a empresa contraiu nesse ano, mas que esperava serem cobertos com o valor das indemnizações exigidas pela região aos Estaleiros Navais de Viana do Castelo, pela recusa do navio Atlântida, que não chegaram a ser pagas. Em contrapartida, a Transmaçor apresentou em 2011 um resultado líquido negativo de 65 mil euros, embora tenha vendido o navio Ilha Azul e tenha obtido “rendimentos extraordinários” no valor de 600 mil euros, devido à assunção de dívidas da empresa contraídas por um antigo administrador.

Apresar de tudo, a administração da Transmaçor conseguiu reduzir o passivo da empresa de 11,4 para 7,6 milhões de euros, em apenas um ano.

A Atlânticoline transportou em 2011 cerca de 125 mil passageiros e recebeu da região uma compensação financeira de 8,2 milhões euros pela prestação do serviço público. Já a Transmaçor transportou no mesmo período 400 mil passageiros, mas recebeu do Governo apenas 1,6 milhões de euros.

http://www.acorianooriental.pt/pagina/edicao-impressa/2013-02-15/regional

(o link directo para a notícia é só para assinantes, mas o conteúdo está acima)

Anónimo disse...

If ѕome onе desires to be updated wіth most uρ-to-datе technologies theгefore he
muѕt bе viѕit this wеb page and be up tο dаte daіly.


My blog post; Aurawave Review

Manuel disse...

Meu Amigo "azul", eu sei que já tentaste-me aliciar com o azul, mas um bom Sportinguista ama o seu clube incondicionalmente, até à morte!
Por cada leão que tombar dois se levantaram!
Abraço,
Manuel

Amigo Rui, e estimados visitantes, obrigado pelos comentários!

Como diria um político, não tenho dados suficientes para comentar esta matéria, por isso compreendam que não vou comentar!

Nesta altura estou mais preocupado com o papel futuro da Atlânticoline, no que ao modelo de serviço ferry diz respeito. Com a construção das rampas, espero que finalmente se comece a apostar na carga rodada inter-ilhas. É a minha mais profunda convicção que este serviço pode e DEVE, dar uma maior contributo ao transporte marítimo nos Açores.

Um Abraço e voltem sempre
Manuel

Anónimo disse...

Só queria dizer que, se não fosse atlanticoline a pagar a renovação dos cruzeiros que ainda foram uns bons milhões, hoje a transmaçor não tinha barcos para a operar.

Café Puro disse...

O meu comentário resume-se a 4 reflexões e uma conclusão:
1- Para quem vive no terreno (leia-se mar) o dia a dia dos portos, é difícil compreender estes números...e quase impossível acretitar neles.
2- É o tipo de contas (leia-se propaganda)claramente feitas por Sérgio Ávila...
3- Até para disfarçar uma fraude é preciso alguma competência...o que parece não ser o caso.
4- Medíocres são os que gerem empresas fazendo o que outros lhes mandam...mesmo que isso signifique a delapidação da empresa e a assunção da sua própria incompetência.
Conclusão: Amigo Manuel...com gente desta, o seu (bom) sonho de transportes marítimos nos Açores provavelmente nunca se realizará.

Manuel disse...

Caro Café Puro, obrigado pela visita e comentário.
Todos nós fazemos o que nos mandam mesmo que não concordamos, é assim a vida, existe uma cadeia de comando nada a fazer.Lembre-se que em breve haverá uma fusão, e que as duas são do GRA.
Quanto ao sonho, veremos o que começa a desenhar-se este ano, como disse o poeta o sonho comanda a vida, parar de sonhar é morrer!
Gostava de responder de forma diferente mas não posso.

Cumprimentos e volte sempre
Manuel