Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Programa RTPA "Em Foco", plataforma logística



Ora digam-me a vossa opinião meus Estimados Visitantes! Eu nem consigo escrever a minha!

13 comentários:

Anónimo disse...

Achei piada a jornalista a perguntar ao ex- administrador da APTG quantos milhares de postos de trabalho ia gerar a plataforma... :P

Manuel disse...

Tenho pelo Engº Ribeiro Pinto grande admiração e respeito, mas sobre esta plataforma (insular) eu uso o seguinte proverbio, "Antes a morte que tal sorte"!
Abraço,
Manuel

Rui Carvalho disse...

Caro MMB

Gostei muito, mas vem com 11 anos de atraso.
E se alguém sabe isso muito bem é o Engº. Ribeiro Pinto.
Só lamento que na altura quando o projecto lhe foi apresentado não tivesse sido tão energético na sua defesa.
O operador portuário OPERTERCEIRA investiu muito dinheiro num estudo prévio feito pela DELLOITE (ex-ARTHUR ANDERSON)com o título "Convergência de Serviços no Porto da Praia da Vitória".
Este estudo potenciava a centralidade do porto da Praia da Vitória e modernizava-o.
Como disse tenho pena que algumas pessoas tivessem tido medo de "cair do poleiro".
Não digo mais, adeus e um abraço.

ErrE

Manuel disse...

Amigo Rui, sabes bem que tenho por ti grande respeito e admiração, aliás tenho aprendido muito contigo. Sei que a tua passagem pela Operterceira, está na base deste estudo.

Mas também sabes que ODEIO a história da plataforma logística na Praia da Vitória. Não sou contra o crescimento deste porto só penso que não deve ser feito à custa das outras ilha mais pequenas. Por mim até podem ter navios da Maersk todos os dias!

Parece uma história de 9 explorações leiteiras, havia um grande agricultor que tinha um belo tractor de 100 cvs, um vizinho invejoso também queria um igual ou até maior, então depois de muito pensar teve uma ideia: Convenceu os restantes 7 agricultores a entregarem a exploração a ele. Assim ele seria "grande", mas os outros pobres 7 agricultores não estavam convencidos, mas ele lá foi dizendo que era para o bem deles (que bondade). Ingénuos aceitaram e entregaram inclusive as cotas leiteiras. Claro que o agricultor lá comprou o grande tractor, para não ficar atrás do vizinho, mas enganou os outros 7 que ficaram sem cotas e sem exploração!
Quando o agricultor conseguiu o tractor e as cotas, disse aos 7 agora vocês fazem como eu quiser vão receber apenas o que eu quiser, e quando eu quiser, sou Grande e vocês muito pequenos.

Escusado será dizer que essas 7 explorações morreram, afinal era essa a intenção, fazer o "bem" aos vizinhos para que ele fosse Grande.

"Antes a morte que tal sorte!"

Um Abraço,
Manuel

Rui Carvalho disse...

Caro MMB

Sempre compreendi as tuas reservas, mas o que está em causa é algo acima de qualquer interesse micro-regional, está em causa uma possível internacionalização do porto da Praia da Vitória.
Se é daqui a 10 ou 30 anos depende do trabalho e empenho que os Governos queiram dedicar.
Eu pessoalmente acho que enquanto a torneira da República e dos impostos correr a política será do deixa-andar.

Abraço

ErrE

Manuel disse...

Caro ErrE,

Sei que isto tem a tua mão dos tempos em que fizeste um bom trabalho na Operterceira.

Queres convencer-me que o facto de a Terceira querer ficar com a carga das outras ilhas (não apenas a minha), é para o bem delas?
Obviamente que não é! É apenas uma forma artificial de PVT crescer, que cresça por mérito é-me indiferente, agora crescer à custa do futuro da minha ilha já outra história!
Além do mais, porque haverá de ser 2 portas de entrada? Porque não apenas 1?
Como vão obrigar os armadores a mudar a frota?

Quanto à plataforma-internacional, por mim podem até convencer a Maersk, CMA CGM, MSC etc, que descarreguem aí a sua carga, contra essa plataforma não tenho nada a favor nem contra já que diz respeito apenas à Terceira.

Agora estou a pensar com os meus botões, o navio A sai da Argentina e faz a viagem directamente até Roterdão, este efectua apenas 2 operações portuárias.
O navio B faz a mesma viagem mas tem de parar na PVT descarregar! Outro navio virá carregar e segue viagem para Roterdão!

Não será mais caro haver 4 operações portuárias em vez de 2! Além disso irá demorar mais tempo a carga a chegar ao destino.

Abraço,
Manuel

Rui Carvalho disse...

Caro MMB

Uma porta de entrada é o que existe agora, todos os 7 navios entram por Ponta Delgada e saem por P.D..
Quando existia duas portas, pelo menos na distribuição, foram os anos mais felizes para ti pois tinhas o VITORINO NEMÉSIO.
13 anos não é assim tanto tempo para nos esquecermos.

Abraço

ErrE

P.S. - O que está em causa é cruzamento de rotas, poe exemplo, América do sul - Norte da Europa, vs América do Norte - Africa do Sul, vs Panamá - Mediterrâneo.
Neste cruzamento haverá com certeza ganhos de escala e muito tranship.

Rui Carvalho disse...

Caro MMB

Já reparaste que a promessa do Presidente Regional (antes das eleições - claro!!) de um porta contentores a entrar pela Praia da Vitória (ou seria a sair ?) foi para o lameiro ?
O V.C. já cá anda há muito tempo e sabe o que valem as promessas.
O que me intriga é porque os armadores lhe fizeram a vontade durante dois ou três meses, isso é o que intriga.
Mas atenção que não percebemos nada disto !!

Abraço

ErrE

Victor Insular disse...

Manuel, cá para nós, se conseguissem que a OPDR lá passasse já seria muito bom se bem que já fica um pouco fora de mão para a linha Norte da Europa-Madeira-Canárias mas ajudaria os Açores a escoarem produtos para o mercado Canário e Madeirense (A Transinsular não iria gostar de concorrência na linha Açores-Madeira mas paciência). Restaria saber se PDL não seria a melhor opção de escala. Qual das ilhas importa mais cargas com origem nos "HUBS" do norte da Europa e que infelizmente têm de baldear em Lisboa ou Leixões?

Em relação a conseguirem que os americanos arquem com os custos (vá lá, chamem "investimento") da tal plataforma acho dificil...

Manuel disse...

Caro ErrE,

Não vou escrever mais, sabes bem o que penso, e nem tudo o que penso posso aqui referir.

Abraço,
Manuel



Manuel disse...

Amigo Victor escoar os produtos dos Açores para as Canárias não é difícil, segue na Transinsular até ao Caniçal e ai faz baldeação para a OPDR, penso eu que estou certo embora não tenha visto a semana da OPDR no Caniçal.
Também existe possibilidade através de Leixões.

Quanto ao porto com maior importação será certamente PDL, afinal haverá nessa ilha cerca de 50 % da população açoriana.

Quanto ao "investimento" americano, por mim tudo bem, se eles quiserem isso é com eles mas...
Um Abraço,
Manuel

João Gonçalves disse...

Meus caros amigos,
a ideia apresentada pelo Eng. Ribeiro Pinto, talvez não tão bem explicada aqui como nos artigos que escreveu recentemente no D.I., parece-me que tem toda a lógica. É claro que os portos das ilhas mais pequenas veriam diminuir o "tamanho" dos navios que hoje lá aportam, mas em benefício da frequência das escalas e dos custos dos fretes.
Quanto ao terminal de transhipment, ele terá de ser fruto da vontade dos armadores internacionais e dos grandes operadores portuários mundiais, pelo que a PA e as autoridades regionais e locais, apenas aparecem como facilitadores. Este projeto tem outro constrangimento no que à cota dos cais diz respeito, porque a Praia da Vitória reúne todas as outras características, como seja espaço para o próprio terminal e espaço para as indústrias e serviços que nascerão à posteriori.
No que à complementariedade entre as plataformas logísticas internacional e regional diz respeito, tenho as minhas dúvidas, porque a primeira será muito provavelmente uma concessão a um grande operador estrangeiro, que pode não querer condicionar as suas operações às questões regionais.
Cordiais cumprimentos.

Manuel disse...

Caro Amigo João Gonçalves, obrigado pelo comentário e visita sempre com prazer que o vejo por cá !

"Antes a morte que tal sorte!"

Volto a escrever o que referi anteriormente, não se trata de fazer bem a ninguém trata-se de crescer artificialmente à custa das pequenas ilhas! Baldeações fazem-se já em PDL, não sou contra os crescimento do Porto da Praia da Vitória, mas façam-no por mérito próprio e não à custa das ilhas pequenas.

Eu sonho com um sistema que crie uma só ilha os Açores, não um sistema artificial que crie uma espécie de "colónias" nos Açores, afinal quem tem medo de sermos uma região composta por 9 ilhas unidas?



"Antes morrer livres que em paz sujeitos"

Um Abraço,
Manuel