Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

domingo, 29 de setembro de 2013

Carga fica em Lisboa e Leixões por falta de capacidade da frota da linha dos Açores



 Como é do conhecimento geral, a frota de porta-contentores afecta à linha dos Açores sofreu recentemente dois ajustamentos, ou seja no primeiro, passamos de 8 (4+4 por semana), para 7 (4+3 semana), e no segundo de 7 para 6 (3+3 por semana).
Obviamente que foram os nossos armadores a tentarem proteger-se dos efeitos da crise, e a potenciar os seus navios com alguns ajustamentos. Contudo parece que a última redução da frota de 7 para 6 navios está a originar alguns problemas de logística, uma vez que em duas semanas consecutivas não foi possível embarcar toda a carga com destino aos Açores. Esta notícia não é uma grande surpresa pois era algo já previsto por alguns amigos conhecedores deste sector.
Relacionado com este assunto acima exposto pode-se ler um artigo publicado no jornal Açoriano Oriental (Ver Aqui), em que consta uma afirmação da direcção da CCIPD (Câmara de Comercio e Industria de Ponta Delgada) de que  “nos últimos tempos alguma carga não tem sido transportada nas datas previstas”, entre o continente e os Açores, “alegadamente por indisponibilidade de capacidade dos navios utilizados”. Havendo também referencias  no mesmo artigo sobre a insatisfação da CCIPD, sobre as taxas e tarifas do porto de Ponta Delgada, na sua generalidade, as mais altas dos portos dos Açores”.
© Copyright fotos: João Carvalho, Lisboa (Arquivo).
Fonte: Açoriano Oriental.

4 comentários:

CAP CRÉUS disse...

Tão triste...

Manuel disse...

Caro Cap Créus,

Enfim são coisas que acontece,mas obviamente para quem espera a carga é triste, merece reflexão por quem de direito!

Cumprimentos e volte sempre
Manuel

Vix Spray disse...

Acho que um comentário meu sobre a redução do nº de navios de carga para os Açores e já estar carga a ficar em terra foi parar ao último post sobre o novo ferry para o triângulo. Era para aqui. Peço desculpa.

Manuel disse...

Caro Vix Spray,

Não tem que pedir desculpa eu é que agradeço a sua participação!

Vou colocar aqui o que referi no comentário no outro post.

Caro Vix Spray,

Dando o exemplo do meu porto, nunca tive a alegria de ver por cá os porta-contentores de maiores dimensões, os Montes ou o Corvo, sei que houve a hipótese de ter o Corvo mas questões relacionadas com o calado do navio e os fundos do caís, inviabilizaram essa escala na altura (caís -6,5 mts/operação com calado de 6 metros). Quanto à linha de caís temos 180 metros a -6,5 mts e 40 mts a -5.5 mts (total 220 mts).

Tenho amigos que defendem, navios maiores na ligação continente -Açores (Com duas portas de entrada PDL-PVT) e na região um ou dois fazendo distribuição.
Como lhe disse acima são (por enquanto) 3 armadores, com actualmente 1 navio por semana (Sendo o Ponta do Sol caso especial), se existessem na linha navios de maiores dimensão/Capacidade não existiria lugar para 3 armadores na linha. Se nos açores houvesse um ou dois digamos feeders também não existiria um por cada armador.

Sinceramente não sei qual a melhor opção para armadores/região, mas é uma questão que merece ser debatida, não por pensar que a nossa opinião possa ter qualquer importância perante os armadores/políticos, mas porque se trata de um exercício interessante de fazer, logo que tenha disponibilidade de tempo vou elaborar um post sobre o assunto, em que espero que os nossos visitantes e comentadores possam dar a sua opinião, convidando-o desde já.

Eu aqui no blog defendia e ainda defendo um sistema porta-contentores/ferry, mas se calhar faz sentido pensar em outras hipóteses!
Artigo sobre a minha ideia de modelo

http://oportodagraciosa.blogspot.pt/2011/07/3-navios-para-um-novo-sistema-de.html

Cumprimentos e volte sempre
Manuel