Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

"Mestre Simão", atingiu nos teste de mar 16,7 nós


 Os estaleiros Armon Burela, Espanha,  efectuaram a 17 de Setembro, os testes de mar da sua nova construção casco nº "734", ou seja o novo ferry da Atlânticoline, "Mestre Simão". Embarcação  que foi classificada pelo Bureau Veritas. 

Durante os testes efectuados, verificou-se que o navio atingiu uma velocidade máxima no teste de navegação de, 16,7 nós, tendo atingido com carga total 16,34. Quanto à velocidade de serviço, deverá situar-se nos 14-14,5  nós.

De salientar, a ausência de vibrações, um nível de ruído muito baixo, equipado com um excelente ar condicionado,  apresenta excelente capacidade de manobra, além de oferecer excelente conforto., entre outras virtudes que serão realçadas na devida altura.
VICUSdt foi contratada para projectar as hélices com que o navio está equipado. A velocidade contratada para este projecto pelo armador (Atlânticoline), era 16 nós. Os testes foram bem sucedidos quer para VICUSdt, quer para o estaleiro.  A Atlânticoline vê assim este processo decorrer dentro da normalidade com o cumprimento do estabelecido no contrato, nomeadamente a questão da velocidade contratada.
Fonte: VICUSdt
As principais características das hélices projectadas:
Número de lâminas 5
Diâmetro 2260 milímetros
Material de Cu Ni Al
Peso 1,143 kg
2240kW de potência
rpm 327

© Foto: VICUSdt

14 comentários:

António Barreto disse...

Uma vergonha!, então agora não são necessários os 21 nós? Chama-se a isto esperteza saloia!

Manuel disse...

Caro António Barreto,

Desculpe, mas não percebi a questão dos 21 nós! O contrato exigia 16.

Cumprimentos,
Manuel

CAP CRÉUS disse...

E com mau tempo?:-)

Paulo Teixeira disse...

Boas Manuel
veloçidade muito razoavel para este navio em concreto. Penso que estamos todos satisfeitos. É com a maxima certeza um grande passo nos transportes maritimos dos Açores. Assim queiramos todos. vamos deixar de estar sempre a falar mal de tudo e de todos, até porque desta vez tudo está a correr da melhor forma possivel. As ilhas de fora do triangulo esperam ver tambem para breve este nosso navio. Estarei agora errado?
um abraço
Paulo Teixeira

Manuel disse...

Caro Cap Créus, um dia alguém me disse, "As instruções que dei foi que tinha que ser capaz de aguentar bastante mar!"
Bem na viagem que fez de Burela para os Açores apanhou vagas de 9 metros, pelo que dizem passou no teste!

Caro Paulo, não te esqueças que a "casa" dele será o triângulo, vê-lo na Graciosa regularmente não me parece!

Abraço,
Manuel

Rui Carvalho disse...

Caro MMCB

Chegados os navios saber-se-á o que vão fazer, e qual o destino dos outros ?
Parece-me que a estratégia ainda não foi anunciada.
No entanto, receio que a miserável situação financeira da Atlânticoline e da sua proprietária Portos dos Açores, S.A. não permita que estes navios naveguem para outras ilhas que não do triângulo.

Abraço

ErrE

Manuel disse...

Caro ErrE,

Como diria os ilustres "Sobre essa matéria nada sei!"

Mas é uma questão interessante o futuro dos velhinhos.

Abraço,
Manuel

CAP CRÉUS disse...

Bom, se apanhou vagas de 9 metros, já quer dizer qualquer coisa.
Mas Açores, é Açores...
Abraço

Manuel disse...

Caro Cap Créus,

Obviamente, que a minha resposta é demasiado simples, mas em breve ficaremos a saber como se comporta ele por cá!

Abraço,
Manuel

Anónimo disse...

Como era usual dizer-se aquando do lançamento à agua na Inglaterra vitoriana- Que tenha bons mares e ventos. Só lamento a nomenclatura desses novos ferries, p´rópria para barcos pesqueiros è simplesmente provinciana||

Manuel disse...

Caro Visitante, obrigado pelo comentário!

Cumprimentos,
Manuel

Anónimo disse...

Que vergonha! O Atlântida foi recusados por dar 16,5 nós! Espero que estejam contentes!

Anónimo disse...

chame-meFilipe Branco e o anonimo tem razao,nao quizeram o Atlantida por dar menos 1 no,mas agora vai-se saber a razao,espero que assim seja.Nao tem nada a ver esta construçoes com o Atlantida e o Anticiclone,porque dois navios para os Açores.Se os projetos nao estavam bem a culpa nao fui dos ENVC,isto levava muito conversa.Amigo Manuel um grande abraço

Manuel Bettencourt disse...

Boas Amigo Filipe Branco,

que esteja bem! isso sim é importante! Gostei de o ver aqui pelo blog!


Um Abraço,
Manuel