Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

sábado, 16 de março de 2013

Maersk Line, opta pelo canal do Suez em detrimento do canal do Panamá

"A Maersk Line anunciou que, a partir de abril, encerrará a rota entre os portos do Este da Ásia e os da costa Este dos Estados Unidos (como os de Miami, Charleston ou Savannah) através do canal do Panamá. A solução da Maersk passa por utilizar navios maiores (9 mil TEU) através do canal do Suez.
"O fator económico é muito melhor via canal do Suez simplesmente porque tens metade do número de navios", referiu Soeren Skou, CEO da Maersk Line, acrescentando que uma das principais razões para esta alteração na rota tem a ver com a subida das taxas no canal do Panamá.
Entretanto, Rodolfo Sabonge, vice-presidente da Oficina de Investigación y Análisis de Mercado da Autoridad del Canal de Panamá (ACP), explicou que esperam que os clientes que estão a sair do canal do Panamá regressem assim que o projeto de ampliação esteja concluído."
Copyright texto Fonte: CargoNews
Copyright foto e vídeo: Maersk Line.


Network Management: The Big Picture from Maersk Line on Vimeo.

4 comentários:

Anónimo disse...

Será que esses mesmos navios que vão passar a ir via Suez em vez de Panama vão aproveitar e tocar Algeciras ou Tanger Med que não requerem desvios de rota e que têm terminais da Maersk? Seria bom que um dia Sines conseguisse atrair os gigantes da Maersk.

Manuel disse...

Boas, caro visitante, li não sei exactamente onde que a Maersk podia estar interessada no novo projecto da Trafaria.
Quanto à rota não pesquisei, não sei que portos incluirá na viagem, mas será interessante perceber.
Abraço

FranciscoM disse...

Que tontice. Deviam era fazer N.Europa-PV-Suez, assim poupavam tempo e dinheiro.

Manuel disse...

Caro FranciscoM, deduzo que esteja a brincar, porque a Maersk Line, não tem nada a aprender com as teorias da CCAH, ou será que todo o mundo vai no sentido errado e eles no certo?
Abraço,
Manuel