Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

segunda-feira, 11 de março de 2013

ALGUMAS NOTAS SOBRE O TRANSPORTE MARÍTIMO DOS AÇORES - 3


ALGUMAS NOTAS SOBRE O TRANSPORTE MARÍTIMO DOS AÇORES - 3
José Ribeiro Pinto*
Vimos no artigo anterior qual a legislação que regulamenta o Transporte Marítimo entre o Continente e a Região. Vejamos agora como está a funcionar o sistema.


3. MOVIMENTO DE MERCADORIAS NOS AÇORES

Uma análise ao movimento de mercadorias nos anos 2008 a 2010 (as estatísticas de 2011 não foram disponibilizadas pela Portos dos Açores, SA) nos portos da Região permite-nos chegar às seguintes conclusões:
Retirando os movimentos de Graneis Líquidos e Graneis Sólidos, que são específicos e serão analisados em ponto separado, verificamos que o total de mercadorias movimentadas nos portos comerciais da Região foi o seguinte.

Se virmos apenas o movimento de contentores cheios, em TEUs, temos


Verifica-se facilmente que um pouco mais de metade das mercadorias são movimentadas em S. Miguel e Santa Maria e que, da outra metade, cerca de metade vai para a Praia da Vitória.
A Horta e S. Roque do Pico movimentam cerca de 5% cada, as Velas cerca de 2,5 a 3,5%, as Flores cerca de 1,5 a 2% e a Graciosa cerca de 2%.  

Verifica-se também que cerca de 62% dos contentores cheios são movimentadas em S. Miguel e Santa Maria e que, dos restantes, pouco menos de metade vai para a Praia da Vitória.
A Horta e S. Roque do Pico movimentam cerca de 5% cada, as Velas cerca de 3% as Flores cerca de 2% e a Graciosa cerca de 1%.  

Podemos então concluir que, de facto, cerca de 80% da carga se destina a apenas dois portos (Ponta Delgada e Praia de Vitória), indo, depois, os mesmos navios levar apenas 20% da carga aos outros 6 portos. É claro que esta situação encarece forçosamente (e muito!) os fretes.

No que diz respeito aos Graneis Sólidos não vale a pena fazer aqui a sua análise uma vez que geralmente estas mercadorias vêm em navios expressamente fretados caso a caso pelas empresas ou grupo de empresas que deles necessita.
Exceptua-se o caso do Cimento a granel que, como se sabe, desde 1990 já vem para S. Miguel a parte destinada a esta ilha e S. Maria e para a Praia da Vitória a parte respeitante ao Grupo Central – a distribuição é feita neste grupo pelos Transportes Marítimos Graciosenses, depois de nos primeiros anos ter sido feita pela Transinsular (falaremos à frente deste assunto)     
Veremos no próximo artigo os combustíveis e o movimento de navios.
(©) Copyright texto: José Ribeiro Pinto, Engenheiro Civil.

Sem comentários: