Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

sábado, 30 de março de 2013

Frota do Porto de Ponta Delgada


Com estas  fotos faço, aqui, uma pequena homenagem aos tripulantes dos rebocadores "S. Miguel" e "Pêro de Teive", aos tripulantes da lancha de pilotos e aos próprios pilotos do porto de Ponta Delgada que, com um profissionalismo e perícia exemplares, contribuíram para que o navio de cruzeiros "Hamburg" pudesse zarpar de Ponta Delgada em completa segurança.
Copyright texto e fotos: António M. Simas, S. Miguel.






9 comentários:

Bernardo Pinheiro disse...

BOas Manuel,
sabe a força de tração do PÊro de TEive?
Feliz Páscoa!

Manuel disse...

Boas Bernardo, vou ser sincero, não sei exactamente qual a força, só pesquisando!
Abraço e feliz Páscoa
Manuel

Rui Carvalho disse...

Caro MMB

Se não me engano, a força de tracção do Pero de Teive é de 36 Toneladas.
Pelo menos é o que temos contado nas nossas manobras.

Abraço

ErrE

Anónimo disse...

Aqui diz: "PERO DE TEIVE" (2.600 H.P.) - (25 tns bollardpull)

http://www.albano-agency-azores.com/index.php?lg=1&idsubmenu=45&idmenu=13.

Estará incorrecto?

Anónimo disse...

Mas eu estava convencido que "O Bravo" e o "Ilha de São Luís" eram oficialmente de 35 tons e o "Pêro de Teive" de 45 tons, isto oficialmente claro.

Rui Carvalho disse...

Meus Caros

Posso garantir que "O BRAVO" e o "ILHA DE SÃO LUÍS " têm 32 toneladas, isso é certo.
Provavelmente quem tem 25 é o "SÃO MIGUEL".
Agora, é quase garantido que o "PERO DE TEIVE" tem 36.

Abraço

ErrE

Manuel disse...

Caros Amigos pelo que consegui apurar o Pêro de Teive tem 2,596hp, quanto ao O Bravo tem 2,230hp e um registo (num site do sector) de 32.9 tons de tracção. Existindo entre eles uma diferença de 366 hp o Pêro de Teive terá de ter mais de 32, mas talvez 45 seja muito!
Aposto mais nos 35 tons do Amigo Rui.
Abraço,
Manuel

Rui Carvalho disse...

Caro MMB

Como podes constatar, os reboques existentes nos Açores já eram quando chegaram, demasiado pequenos e sem a manobra necessária aos navios de maior porte que solicitam com cada vez mais frequência operar nos nossos portos.
Muitos destes armadores confrontados com os "pornográficos" preços de ter um segundo e terceiro reboque procuram novas águas para navegar.
É bizarro termos portos que permitem navios com maiores calados, e depois devido ao seu porte não temos equipamento para os colocar ao cais em segurança.
Muito gosta "esta gente" de falar do "Mar", enche a boca com este assunto em intermináveis encontros e seminários, no entanto a realidade é algo mais palpável no dia-a-dia.

Abraço

ErrE

Victor Insular disse...

Um rebocador pode ter como valor de referência 45 tons (foi encomendado para esse valor ou tem na ficha técnica esse valor) e depois nos testes de mar ou em utilização dá mais qualquer coisa tipo 47 tons por exemplo. Aconteceu isso (nos testes de mar) com um rebocador da APRAM, já não me lembro se com o "Ponta do Pargo" ou o "CTE Passos Gouveia", pois ambos "são" de 45 tons bollardpull.
Isto de comprar rebocadores com maior potência é como comprar carros de maior cilindrada.. são mais caros... e depois também "bebem mais"! Os portos das ilhas ainda fizeram renovação dos rebocadores no tempo das vacas gordas. Talvez o "São Miguel" pudesse ser substituido pois já vai andando para a idade e secalhar daria jeito a PDL um outro "Pêro de Teive" com mais alguma força que o São Miguel.