Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Dois excelentes navios construídos nos ENVC (Vídeos)


Dois vídeos de dois navios diferentes, o primeiro referente a um reefer, o segundo a um navio tanque, mas ambos teem alguma história em comum. Primeiramente o facto de ambos  terem sido construídos  e desenhados nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo, e   de ambos terem sido   galardoados pela Royal Institution of Naval Architects ( RINA) , com o prémio de "Ship of the year", pelo design, inovação e funcionalidade, algo que na altura foi certamente motivo de  orgulho para o estaleiro e para a industria de construção naval nacional.
Os ENVC, construíram  dois navios reefer gémeos ,  um com o nome de "Carmel Ecofresh", em 2003 e o "Carmel Bio-Top", em 2004, ambos para  o armador alemão, ORIZONT SCHIFFAHRTSGESELLSCHAFT mbG,  enquanto que os navios tanque foram construídos em 2004 o, "Kiisla" e o "Suula" em 2005, para o armador,FORTUM OIL OY, Filandia.
Nome: Cala Paradise ( ex Carmel Ecofresh)
IMO: 9267534
Ind chamada: ZCDQ4
Bandeira: Bermuda
Tipo de navio: Reefer
Ano: 2003
T.A.B.: 18 931 tons
T.A.L.: 8827 tons
D.W.T.: 16397 tons
Porto de registo: Hamilton
Operador: Ofer Ships Holding
Estaleiro construtor: Estaleiros Navais de Viana do Castelo- casco 213
Comprimento: 185, 8 mts
Boca: 25,14 mts
Calado: 9,28 mts
Navios gémeos: Cala Pira ( ex Carmel Bio-Top)
Capacidade Teus: 880
Máquina: Wartsila, 22 461 hp
Velocidade de serviço, 20,5 nós; velocidade máxima, 21,5 nós.

Nome: Kiisla
IMO: 9267558
Ind chamada: OJKY
Bandeira: Filandia
Tipo: navio químico
Ano: 2004
T.A.B.: 9910 tons
T.A.L: 4596 tons
D.W.T.: 14 750 tons
Porto de registo: Porvoo
Estaleiro: Estaleiros Navais de Viana do Castelo-casco nº 224
Operador: Neste Shipping Oy, Filandia
Comprimento: 139,75 mts
Boca: 21,73 mts
Calado: 9 mts
Nº tanques: 14
Máquina principal: Wartsila, 11 489 hp
Bowthruster: 1088 hp.

6 comentários:

Anónimo disse...

Boas!

Pois è Manuel excelentes memórias

Em 2004 entramos para a esfera das industrias de defesa: EMPORDEF acabaram-se os premios internacionais acabou-se o trabalho e dentro em breve se nao conseguirmos escapar a incompetência Publica acaba-se a empresa! e com ela morrem os ultimos estaleiros nacionais com capacidade de projecto
Os ENVC foram abandonados esquecidos pelo acionista, estado.

Abraço EN

Manuel disse...

Boas Amigo EN, Obrigado pela dica.
Nem sei o que escrever, bem sabes que digo que esta situação é um espelho do próprio País, não resta dúvidas que a politiquice tem destruido os estaleiros e não só.
Moralmente a politica tem um divida para com os ENVC.

Sabes que já te disse que os estaleiros nacionais, não cuidam da sua imagem, visitei o site dos ENVC e embora lá tenha boa info sobre os dois navios, não vi ( ou vi mal) nenhuma referencia a estes e outros prémios!

Ia falar nos projectos nacionais, mas iamos parar a outro assunto que agora não vem ao caso.

Abraço,
Manuel

Anónimo disse...

Boas!

Manuel o site dos ENVC e mau demais!

O problema é que quem gere o estaleiro nao precisa de vender para ganhar ao fim do mes!

os navios Carmel Bio-top e Carmel Eco-fresh
foram de facto marcantes na historia dos ENVC

O Carmel Bio-top serviu para lançar o primeiro motor cammon-rail maritimo! foram noticia em revistas de referencia:

"The reefer Carmel Bio-Top was delivered from Portugal ... ' World's first common-rail low- speed engine goes to sea

Carmel Bio-Top State-of-the-Art Common-Rail Technology in Low-Speed Marine Diesel build at viana do castelo are becoming a major success "

Alguem fez referencia a isto em portugal?

Nem no site dos ENVC encotras alguma coisa


Abraço EN

Manuel disse...

Amigo EN, vou reeditar o post, entretanto se for possivel tens alguns links?

Acho que tudo isso que referes, vale a pena mencionar, até porque na minha pesquisa pouco encontrei!
Abraço,
Manuel

P. Gomes disse...

Porque é que os estaleiros da Lisnave na Mitrena não podem ser aproveitados para a construção de navios? Parecem-me ter potencialidades enormes! Uns estaleiros daquele tamanho! Hão-de fazer só manutenções, reparações, alteraçõs/adaptações porquê? Em poucos sitios se vê uns estaleiros com aquelas dimensões!

Manuel disse...

Amigo Gomes, isso não sei, mas se calhar ganham mais dinheiro assim.
Abraço,
Mnauel