Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

sábado, 7 de janeiro de 2012

O mágnifico trimaran da Austal Ships

Este é um dos mais fantásticos HSC do mundo trata-se do novo trimaran da Austal Ships, um estaleiro australiano, que iniciou a sua actividade em 1988, com a ambição de construir navios de alta qualidade para o mercado internacional. Hoje é um líder mundial no design e construção de navios em alumínio, possui estaleiros na Austrália e E.U.A., tendo  construído mais de 220 navios para clientes de todo o mundo.
Este magnifico Trimaran , é uma evolução em todos os sentidos do seu antecessor, o trimaran da Fred Olsen, “Benchijigua Express” (Ver Aqui), quer seja em eficiência, consumo, performance de navegação, capacidade de carga, e um nível de conforto dos passageiros sem precedentes comparado com os tradicionais HSC, em especial em condições de mar adversas.
A Austal Ships, antes de avançar para a sua construção, elaborou um relatório de eventuais pontos que poderiam ser melhorados em relação ao “Benchijigua Express”, posteriormente este relatório foi procedido por um estudo de mercado exaustivo, que visou avaliar no segmento ferry qual o tamanho e capacidades da frota existente.
Este novo trimaran, incorpora assim muita da informação obtida pela construção do “Benchijigua Express”, assim como pela construção e design dos Littoral Combat Ships.
Foi com base no acima citado estudo de mercado que a Austal, determinou que este teria 102 metros de comprimento, capacidade para 1165 passageiros e 254 carros.
Estudos mostram que os enjoos no novo trimaran serão 56% menores do que num catamaran de 100 metros, para o operador isto significa maior satisfação dos seus passageiros.
A instalação de 3 motores, significa menor consumo, menos emissão de gases, menos manutenção, comparado com fast-ferrys de similar tamanho, que possuem 4 motores.
A potência motriz é-lhe fornecida por 3 motores MTU 20 V 8000, que lhe conferem uma velocidade de 39 nós (a 90 % MCR), e uma velocidade máxima de 45 nós, com um consumo de 4,90 tons/h. O trimaran está também equipado com 2 bowthrusters, retrácteis, que lhe auxiliam nas manobras.
Segundo o seu constructor, o seu requintado interior pode ser facilmente adaptado em função das necessidades do futuro operador. Lembro que este magnífico trimaran está disponível para compra.
Nome: TBN
Comprimento: 102 mts.
Capacidade: Entre 950 e 1165 passageiros.
Velocidade: 39 nós.
Capacidade de carros: 245
Ano: 2010
Motores: 3 x MTU 20V 8000 M71L, 9 100 KW@ 1150 rpm
Water jects: 3 x Wartsila LJX 1300
Capacidade para veículos pesados: 188 metros leniares+145 carros.
D.W.T.: 680 tons.
Classificção: Gernamisher lloyd, HSC tipo ro-pax.
(©) Copyright fotos e fonte : Austal Ships, Australia. Vídeo youtube canal Ikopter.
"Benchijigua Express", Fred Olsen Canárias.

6 comentários:

Anónimo disse...

Este tipo de navios nos tempos que correm (preço de combustiveis proibitivo, crise etc) e num mercado como o dos Açores é de fugir deles a 7 pés! Ainda bem que as pessoas ainda têm a cabeça no lugar e ali no inquérito no lado direito deste blog pode ver-se que a grande maioria escolheria um ferry convencional. E digo mais.... ferry convencional e de preferência com motores adaptados ao combustivel mais barato possivel. Fuel óleo... o que fôr.

Manuel disse...

Boas, Obrigado pelo comentário, para além de respeitar a sua opinião concordo com ela.
Mas tudo isso não me impede de gostar deste tipo de navio, e ainda mais gosto de quem investe em inovação, como este estaleiro faz.
Enfim gosto e admiro este trimaran tal como o Benchijigua, daqui a uns dias verá que ferry eu ( a sonhar) iria construir para os Açores.
Um Abraço e volte sempre
Manuel

Elvio Leão disse...

Boas Manuel. Eu sempre gostei este tipo de navio, alem de praticos são muito velozes, ja tive o prezer de viajar num não tão moderno mas muito eficiente, o Bonanza Express da Fred olsen lines, e fiquei impressionado com a velocidade das manobras e do desembarque e embarque das viaturas. São realmente dispendiosos, mas tendo em conta que um ferry convencional, com a mesma capacidade e viajando a 20 nos consome mais ou menos 3 toneladas hora, não sei o que será mais dispendioso. Supondo numa viajem de 80 milhas, o fast ferry consumirá mais ou menos 10 toneladas, em 2 horas de viagem, o convencional consumirá 12 em quatro horas....O valor do navio é que é muito superior, mas para um uso intensivo talvez seja lucrativo.
Cumprimentos
Elvio

Manuel disse...

Boas Amigo Elvio, eu gosto dos HSC, mas já estive mais convencido que sriam adequeados para os Açores, hoje a minha opinião fica-se por um ferry convencional com uma velocidade acima dos 20 nós.
Muitas pessoas dizem-me que um HSC para ser lucrativo precisa de 70 % de ocupação, ora com o preço do combustivel tudo fica mais complicado.
Um Abraço para o Porto Santo
Manuel

Elvio Leão disse...

Pois, para os mares dos Açores e tambem por vezes os da Madeira um ferry convencional é o ideal, e eu nunca tive outra opinião. Já nas linhas onde o mar é mais calmo e ha muito mercado como o caso das Canárias acho o navio ideal para pequenas distancias, e digo pequenas viagens até 2 ou 3 horas.
abraço
Elvio

Manuel disse...

Boas Elvio, por falar em ferrys, gosto sempre de ver o Lobo no teu blog, e em especial aquelas fotos com contentores, fantástico é um ensinamento para muitos.
Sim percebo bem o que dizes, temos um opinião semelhante nesse aspecto.
Abraço,
Manuel