Tanto o transporte marítimo como os portos devem ser pensados, não como entidades separadas, mas como componentes
interligados, como duas peças de uma engrenagem" Koji Sekimizu , Secretário-Geral da IMO

quarta-feira, 6 de julho de 2011

3 navios para um novo sistema de transportes marítimos

 Enviaram-me um artigo do jornal "Correio dos Açores", sobre o estudo "Açores Logístico – Competitividade Logística para a Região Autónoma dos Açores" onde resumidamente se diz poupar 15 milhões ano em relação ao sistema actual mas em contra partida se fala em gastar muitos milhões na construção de obras portuárias principalmente em Ponta Delgada e Praia da Vitória, não que esteja contra os investimentos nesses dois portos, muito pelo contrario até no caso de Ponta Delgada terá que ser estudada uma solução de futuro para o actual porto comercial.
Pois bem, deixando a leitura do referido artigo à consideração dos nossos visitantes e posterior formação de uma opinião , deixo aqui a minha opinião de como no meu ponto de vista seria possível melhorar o transporte de carga e passageiros na região sem grandes loucuras e recorrendo aos navios existentes ou do mesmo tipo :
Primeiro sem qualquer tipo de investimento manter o actual sistema de transporte de carga contentorizada, sendo que por exemplo as ilhas Graciosa, Flores e Santa Maria continuariam a registar escalas quinzenais, mas sem deixar de ouvir os armadores e suas pretensões de forma  a termos um sistema equilibrado que satisfaça a todos.
Quanto aos sistema de carga inter-ilhas, adoptaria o sistema da Madeira sendo este um serviço Ro/Pax, ou seja transportaria a carga rodada inter-ilhas assim como os passageiros, que como sabemos são mais frequentes  no Verão. Quanto a mim  este serviço seria coordenado com o transporte de contentores, de forma a que por exemplo a ligação com as Flores seria sempre na semana em que  não vai o porta-contentores, de forma a que esta ilha pudesse receber carga do exterior todas as semanas, quanto ás outras ilhas teria-se que avaliar as necessidades se seriam escalas semanais ou bi-semanais obviamente adequadas ás necessidades sazonais. A utilização do ferry seria um motor sócio-económico para  os Açores transformando estes num mercado mais amplo, sendo uma "Ponte" entre  todas as ilhas.
Para quem está a pensar quanto custa o ferry, eu pergunto quanto custa uma ponte? quanto ao tipo de ferry teria que ser bem ponderado.
Embora o actual estudo não se refira ao transporte de combustível, acho que neste aspecto estamos bem servidos, mas num futuro poderia ser adoptado eventualmente o carregamento no parque de combustíveis da Praia da Vitória , teria também em conta o sistema utilizado pelo N/T" Seychelles Paradise" que poderia eventualmente ser adoptado nos Açores associando ao transporte de combustíveis o gás.
Não é preciso grandes investimentos para ter este sistema idêntico ao Madeirense, apenas vontade, além disso não seria bloqueado o acesso das pequenas ilhas ao mercado do continente, algo que na minha opinião está escondido neste estudo e em outros que já li.
Antes que alguem faça juizos precepitados, acredito ser possivel construir este modelo sem afectar ninguem, aliás não se trata de nenhuma invenção, basta olhar para a Madeira e para o que acontece com as ligações para o Porto Santo, quer pela Empresa de Navegação Madeirense quer pela Porto Santo Line ambas pertecentes ao Grupo Sousa.
(©) Copyright fotos : MM Bettencourt, Graciosa.

4 comentários:

Gonzo disse...

Caro Manuel, quero deixar aqui um alerta. Como sabe para se justificar um serviço regular de RoPax e/ou carga contentorizada para as ilhas mais pequenas durante todo o ano, tem de existir população e/ou turismo que o justifique. O meu alerta vai essencialmente para os resultados preliminares dos censos 2011, nos Açores. As ilhas mais pequenas perderam todas população residente em relação a 2001 excepto o corvo. A Graciosa é mesmo um caso grave em termos de percentagem de população residente perdida. Há que fazer alguma coisa senão qualquer dia o própia governo regional e os armadores vão-se escudar nos censos para justificar um "abandono" das ilhas mais pequenas, e vai assistir-se mesmo a uma maior centralização do transporte maritimo em Ponta Delgada.

Manuel disse...

Boas Caro Gonzo, obrigado pelo comentário e visita, obviamente tem razão em relação aos censos não vale a pena discutir.
Quanto à carga contentorizada a minha ilha recebe-a de quinze em quinze dias e todo o ano, é essencialmente carga que tem origem em Lisboa e Leixões e também em Ponta Delgada, este sistema é o actual.
Quanto ao serviço ferry todo o ano diz bem não haverá passageiros que o sustentem, mas com a carga inter-ilhas e passageiros principalmente no Verão poderia ter pernas para andar.
Se reparar referi que a minha ideia era este serviço ser um motor sócio-economico da região ajudando a transformar os Açores numa economia "global", ou seja que pudessemos circular fácilmente entre ilhas com bens, serviços e pessoas. Penso que poderia ajudar a combater a desertificação que como bem diz as pequenas ilhas estão a sofrer.
Como calcula isto é apenas um exercício que faço, agradeço que demonstre a sua opinião mesmo que seja contraria.
O que me preocupa aqui não é tanto o que eu penso, mas sim o que pensam do futuro os nossos governantes e oposição, isso é que eu gostava de saber.
Cumprimentos e volte sempre
Manuel

EstivadoresAveiro disse...

Olá Manuel,
uma coisa é certa, se nada for feito essa desertificação vai ser cada vez maior.Em minha opinião é que tem de se ir fazendo com calma, mas ir fazendo com que as coisas aconteçam, pois parados é que não se cativa ninguém nas ilhas.É um bom esforço da tua parte ir mostrando como se pode trazer mais vida para as ilhas.
Força
Abraço desde Aveiro
Orlando Miguel08

Manuel disse...

Boas amigo Orlando, é uma situação grave a desertificação, mas como dizes tem de ser combatida com inteligencia e ponderação, não basta gastar dinheiro para se resolver, antes de tudo temos que refletir, e avançar com soluções.
Sou da opinião que uma maior mais facil e mais barata circulação de pessoas nos Açores poderá combater essa desertificação.
Um Abraço
Manuel